O autor do Eclesiastes não é Salomão. O livro começa assim: “Palavras de Coélet, filho de Davi, rei em Jerusalém.” Coélet não é um nome próprio, mas provavelmente indica aquele que fala durante o culto, na assembléia, ou seja, o pregador. É daí que nasce o termo “eclesiastes” (assembléia, igreja ).

Este pregador é chamado filho de Davi e rei em Jerusalém. Embora o nome não seja mencionado, logo se identificou o autor com Salomão. De fato o livro menciona o rei (1,16), mas essa atribuição é mera ficcção literária do autor, que põe suas reflexões sob o patrocínio de um nome ilustre, um dos sábios por excelência de Israel.

Graças a aspectos linguísticos e à doutrina do livro temos certeza que ele foi escrito depois do Exílio em Babilônia (587 antes de Cristo), cerca de 400 anos anos depois da morte do rei Salomão. Muitos estudiosos dizem que o livro teria sido escrito no III século antes de Cristo, quando a Palestina era submetida pelos Ptolomeus.