Siga-nos no FaceBook




Lugares bíblicos

A Bíblia tem 66 livros. Por que tem gente que diz que são 73?

Pergunta de Ivani Domingues, Foz do Iguaçu
Resposta de Luiz da Rosa, em 01/06/2012


Leia mais sobre Cânon bíblico Bíblia Católica / Bíblia Protestante Bíblia Católica / Bíblia Protestante

A sua é uma pergunta muito comum aqui no site e já dedicamos espaço tentando dar uma resposta. Todavia nunca é tempo perdido retomar o argumento, buscando a clareza de ideias.

Há vários tipos de bíblias, embora geralmente falamos em Bíblia Católica e Bíblia Protestante. Essa distinção nasceu na época do Concílio de Trento (1545-1563), quando os católicos e Luteram tomaram estradas diferentes. Lutero decidiu formar a sua Bíblia seguindo a tradição hebraica, que retem como livros inspirados, em relação ao Antigo Testamento, somente aquilo que foi escrito em grego. Os católicos, invés, defendem a inspiração também para 7 livros que, escritos em grego, estão presentes na própria bíblia. Esses livros são: Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc, 1 e 2 Macabeus (além de partes de Ester e Daniel).

A questão é muito mais complexa do que simplesmente dizer que a Bíblia é composta de 66 livros e os católicos acrescentaram outros 7 ou que os protestantes tiraram 7 livros da bíblia. 

Até o período de Trento havia muita discussão sobre a inspiração de certos livros. E a disputa não se referia apenas a esses 7 livros do Antigo Testamento. Se discutia também sobre livros do Novo Testamento, como o Apocalipse, a carta de Tiago e outros. Mas em relação a estas obras houve consenso entre Lutero e o Concílio de Trento, mesmo se Lutero chama a Carta de Tiago de "carta de palha". Sobre o Apocalipse, Lutero também tinha grandes dúvidas, pois dizia que "não via como o Espírito Santo podia tê-lo inspirado".

Os 7 livros que estão presentes na Bíblia Católica não surgiram somente no século XVI, na época da Reforma. Já antes de Cristo, no Egito, nasceu a LXX, a Bíblia Hebraica traduzida para o Grego. Essa foi a Bíblia que os primeiros cristãos usaram, em grego. E  nela estavam presentes os 7 livros. Por outro lado, os judeus definiram a própria lista de livros inspirados por volta do ano 100 depois de Cristo. E quando fizeram isso, excluíram os 7 livros.

Hoje em dia há muita abertura da parte das igrejas protestantes clássicas em, ao menos, retomar a prática de Lutero, de inserir na própria versão da Bíblia, como apêndice, os 7 livros não considerados inspirados. Assim se fez, por exemplo, com a TEB, Tradução Ecumênica da Bíblia.

1989 visitas

4 comentários

Postar um comentário

  • Márcio ADV (Serra) - 04/06/2012

    Os critérios que foram usados para definir o Cânon do A.T 1) A escrita tinha que ser composta em hebraico. As únicas exceções, que foram escritos em aramaico, foram Daniel e Esdras. Hebraico era a língua da Sagrada Escritura, o aramaico a língua da fala comum. ... 2) A escrita tinha que ser sancionada pelo uso na comunidade judaica. O uso de Esther no Purim tornou possível para que ele seja incluído no cânon. Judith, sem esse apoio, não era aceitável. Os escritos tiveram que conter um dos grandes temas religioso...

  • Adailton (São José) - 03/06/2012

    Marcio, a diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante não são os apócrifos, mas os deuterocanônicos, que os judeus excluíram, em Jamnia, por serem considerados pró-cristãos (esse foi um dos argumentos deles). À Bíblia Católica faltam os "Anagignoskomena" da Bíblia Ortodoxa.
    Devemos lembrar que vários livros são citados no Novo Testamento, mas não fazem parte da Bíblia, como o livro de Enoque, que permanece apenas na Bíblia Ortodoxa Etíope, mas eram aceitos à época - alguns fragmentos foram encontrados em...

  • Márcio ADV (Serra) - 03/06/2012

    I – Escritos Inspirados e Não Inspirados 1. A razão porque 66 livros da Bíblia se harmonizam entre si é que a mesma mente divina inspirou a cada escritor. Se, por exemplo, João tivesse escrito algo que não concordasse com as obras de Moisés, seríamos obrigados a rejeitar seu Evangelho, as Epístolas e o livro do Apocalipse.. 2. Os primeiros livros constituem o critério para todos os outros chamados inspirados. Se as doutrinas dos livros apócrifos não concordam em cada ocasião com aquilo que Moisés escreveu, n...

  • Márcio ADV (Serra) - 03/06/2012

    APROVEITANDO RESPOSTA A OUTRA PERGUNTA - Alguns eruditos colocam a formação do Canon do AT um pouco antes de Jesus ou no Concílio de Jâmnia. Analisaremos os fatos e antes disso, vejamos o que disse Orígenes, um dos pais da igreja – “ninguém deve usar, para provar a doutrina, livros não canonizados”. ------O cânon do AT, ou seja, os seus 39 livros, foram divididos pelos Judeus em 3 partes : a Lei (torah), Os profetas anteriores e posteriores(neviim)e os escritos (kethuvim). Estes livros eram chamados simbolicamente...