Uma janela sobre o mundo bíblico

Quais são as virtudes que o Espírito Santo produz em nós, de acordo com Gálatas 5,22-23?



  • Pergunta de Wandilson Faria Valério , Mongaguá
  • 34061
  • 16/05/2012
Odalberto Domingos Casonatto

Leia mais sobre Virtudes Espírito Santo Gálatas


Olá Wandilson Faria Valério de ongaguá / SP!

Para a resposta a pergunta, utilizo um artigo, que nesta semana coloquei a disposição no “site aBiblia. org”, que foi trabalho de um longo estudo sobre a escatologia na carta aos Gálatas e inclui o texto de Gl 5,16-26. Neste estudo foi abordada a questão das antíteses, quiasmos, paralelismo, catálogo de vícios e virtudes, que encontramos na composição literária do texto escrito por Paulo.

 

Quanto as virtudes que o Espírito Santo produz em nós, na minha compreensão depois do estudo deste texto é a seguinte: Caminhar segundo o Espírito produz em nos o fruto do amor. Este fruto é a “grande virtude”que Paulo anuncia e que se desdobra em 9 virtudes, (ver Gl 5,22-23) dispostas em tríades de 3 virtudes cada tríade. O fundo literário segundo varios escritores como Nelis, Brunot, Lausberg vem dos antigos catálogos de vícios e virtudes dos gregos e romanos conforme explicação mais abaixo:

1 tríade: amor, alegria, paz, (Gl 5,22)

2 tríade: longanimidade, benignidade, bondade, (Gl 5,22)

3 tríade: fé, 23 mansidão, autodomínio. (Gl 5,22c-23)

 

A tradução do texto Gl 16-26

22Ao contrário, o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé,

23mansidão, autodomínio. Contra tais coisas não existe lei.

 

Observações sobre a estrutura de Gl 5,16-26

A estrutura que utilizamos no estudo da perícope 5,16-26 é a estrutura concêntrica, (Martinez, 1984 p. 110-111) que nos indica a temática escatológica do texto.

 

Estrutura concêntrica de Gl 5,16-26

A dimensão escatológica do comportamento cristão no caminhar segundo o Espírito. Segue abaixo apenas os dois versículos relacionados com a pergunta

22Ao contrário, o fruto do Espírito é:

amor, alegria, paz,

longanimidade, benignidade, bondade,

fé, 23 mansidão, autodomínio.

Contra tais coisas não existe lei.

 

A título de complementação:

 

O catálogo dos vícios e virtudes

Catálogos de vícios e virtudes, encontramos tanto na ética pagã da antiguidade quanto no judaísmo, bem como no Novo Testamento. Já no século IV a. C. conheciam-se exortações semelhantes aos catálogos dos vícios e virtudes em documentos extra-bíblicos. Nas escolas estoicas (Sêneca e Epíteto) aparecem certas enunciações de caráter geral com referência a obrigações pessoais. Entretanto, o caráter geral dessas formulações leva-nos a pensar que a origem dos catálogos se aproxime do ambiente judeu-helenístico, vizinho à sinagoga. Fornecem-nos elementos para isso: Flávio Josefo em seu esquema tripartido de exortações a mulheres, crianças e escravos; Filão, em uma lista de atitudes com respeito aos pais, ao cuidado da mulher em casa, à educação dos filhos, etc.

(Textos que podem ser fontes destes catálogos de vícios e virtudes: Filão, Sacr 27 (elenco das virtudes); 32 (dos 146 vícios); nos escritos apocalípticos pré-cristãos: Test Ben 6,4; Tes Rub 3,2;ou na época neotestamentária, Ass Mos 7, da Comunidade de Qumran,1 QS 4,2-6, 9-11; 1 QS 3,20-21)

Na Bíblia, encontramos com muito maior frequência listas de pecados e vícios do que de virtudes. Essas listas certamente têm origem na legislação judaica e, em forma particular, no decálogo. Os catálogos neo-testamentários não apresentam um quadro homogêneo. Entretanto, na literatura paulina encontramos um determinado grupo de virtudes e de vícios que se repetem com frequência (No Novo Testamento encontramos oito grupos de virtudes (Cl 3,12; Ef 4,2; 5,9; Gl 5,22; 1 Tm 4,12; 1Tm 6,11; 2 Pd 1,5-7) e 18 listas de vícios ( Mc 7,21-22; Rm 1,29-32; Rm 13,13; 1 Cor 5,10-11; 1 Cor 6,9-10; 2 Cor 12,20-21; Gl 5,19-21; Ef 5,3-5; Cl 3,5. Cl 8-9; 1 Tm 1,9-10; 2 Tm 3,2-5; Tt 3,3; 1 Pd 2,1; Ap 21,8; Ap 22,15).

Em referência à lista de Gl 5,19-23, tudo indica que, quanto à forma, ela se aproxima daquela dos moralistas populares do mundo helênico de seu tempo e, quanto ao conteúdo, se assemelha à lista de vícios e virtudes, encontrada na Bíblia. Em Dt 30,15-19 lemos: “Eis que hoje estou colocando diante de ti a vida e a felicidade, a morte e a infelicidade...”; Jr 21,8-9: “E a este povo dirás: Assim disse Iahweh: Eis que vou colocar diante de vós o caminho da vida e o caminho da morte..."; 1 Rs 18,21: "Até quando claudicareis das duas pernas? Se Iahweh é Deus, segui-o; se é Baal, segui-o"; Ecl 15,17: "Diante dos homens está a vida e a morte, ser-te-á dado o que preferires”. Também na literatura extra - bíblica encontramos exemplos disso (1 QS 3,13 - 4,2).

Para concluir, podemos afirmar que Paulo, na exposição de sua argumentação ao interno da perícope Gl 5,16-26, utiliza o gênero literário das antíteses e da lista dos vícios e virtudes, destacando-se em forma saliente o contraste entre Espírito e carne. Esta maneira paulina de argumentar era muito comum em sua época, em particular na diatribe dos estoicos. O catálogo dos vícios e virtudes tem sua origem, provavelmente, na filosofia helênica e sofreu transformações ao passar ao judaísmo helênico. O texto de Gl 5,16-26 mostra que esta perícope tem seu "Sitz im Leben" na catequese da comunidade primitiva, comprovada no versículo 21.

34061 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook


Comentários mais antigos

  • wennethon eslau freitas da silva barros (81988744952) - 10/01/2016

    muito bem formulada as explicações para o assunto sera de grade utilidade.