Siga-nos no FaceBook




Lugares bíblicos

Considerações sobre as cartas pastorais(a propósito do Ano Paulino)

Estudo de Reuberson Rodrigues Ferreira, em 21/05/2009


Leia mais sobre Paulo

1 - Introdução: “No princípio” ao “Amém”

Desde o belo poema bíblico da Criação, em seus versos iniciais – “ No princípio Deus Criou Céu e Terra”(Gn 1,1)- até a descrição oracular da Nova Jerusalém - “ vi então um novo Céu e uma nova Terra”(21,1) finalizado com ação de graças pela vinda remota do Senhor Jesus(Ap 22, 21) percebemos nos textos sagrados uma riqueza incomensurável. De fato, desde a singular frase “No principio” até o “Amém” final averiguamos a riqueza cultural, histórica, poética e teológica dos relatos bíblicos.

A sagrada Escritura em seus 73 livros é indiscutivelmente um dos textos mais lidos, estudado e questionados. Sozinha, ela já foi protagonista de diversas posições. Muitos se apegaram a ela para legitimar posições políticas, outros para sustentar ideologias religiosas, outros, ainda para desautorizar tanto as posições políticas como religiosas por um laborioso exercício de critica textual dos Texto Sagrados. Enfim, é inegável a riqueza que ela apresenta.

Nesse rico e extenso patrimônio que a Bíblia apresenta, temos dois grandes blocos :o Antigo e Novo testamento com 46 e 27 livros, respectivamente. No primeiro bloco temos uma subdivisão que a tradição cristã ,com algumas alterações de nomes, herdou do judaísmo. Temos o Pentateuco, com 5 livros; Os históricos, com 15 livros; Os Sapienciais, com 5 escritos; Profetas, com 18 textos. No segundo grande bloco, temos os Evangelhos e o atos dos Apóstolos(5); Um grupo de 14 cartas reunidas sob o título de paulinas; sete cartas chamadas católicas(universais) e o Livro do Apocalipse.

Dentro dessas divisões, temos ainda subdivisões. Uma particular nos interessa. Trata-se dos textos que estão agregados sob o título de Escritos Paulinos, particularmente as Cartas nomeadas de pastorais “1. A Elas volveremos com atenção nosso olhar. Para fins metodológicos, resgataremos quais cartas são paulinas e apresentaremos, em seguida, as cartas a Timóteo e a Tito.

2 CARTAS PAULINAS: Quem são e quais são?

Sob o título de Cartas paulinas, temos treze textos em nossa Bíblia. Elas vão desde a carta aos Romanos até a dirigida a Filemon. Se levarmos em conta essa atribuição diríamos que quase metade dos textos do Novo testamento foram escritos por Paulo. A bem da verdade Paulo não “escreveu” nenhum desses textos. Na grande maioria, aquelas que são legitimamente atribuídas ao apóstolo foram ditadas por ele e redigidas por um secretário. Outras cartas foram escritas na esteira do pensamento Paulino, por seus discípulos. Outras ainda, não são, definitivamente, do apóstolo. Os argumentos que levam a essa discussão, variam entre elementos cronológicos e de estilos literários. Algumas fazem menção a fatos que, talvez, Paulo não tenha presenciado e outras destoam do estilo paulino de redigir cartas.

Entre os teólogos e estudiosos2 da Sagrada Escritura é consenso que Paulo redigiu sete cartas. Sob a ordem canônica pode-se dizer que:Romanos, as Duas aos Coríntios, Gálatas, Filipenses, a Primeira aos Tessalonicenses e a Filemon.Essas sete cartas são incluídas no gênero e no estilo de redação adotado pelo apóstolo dos gentios. Outras são aceitas como oriundas de uma “escola Paulina”: Segunda aos Tessalossences e Colossenses. Por fim, aquelas que seguramente, para grande maioria dos autores, não foram escritas por Paulo: 1 e 2 Timóteo, Tito, Efésios e Hebreus. Sob as três primeiras devemos mencionar a posição oficial da Igreja através da Pontifícia Comissão bíblica, datado de 13 de junho de 1913, fiel a tradição católica, que confere a Paulo essas cartas bem como unicidade delas3

Essa distinção não visa desmerecer nenhuma das Cartas que são atribuídas a Paulo. Antes quer estabelecer qual a real linha de pensamento do Apóstolo e o que pode ser imputado ao seu pensamento, bem como aquilo que se originou a partir de sua pregação e de sua reflexão através da pena dos seus discípulos. De igual modo, sob um outro prisma, ela busca dirimir qualquer especulação alheia ao pensamento paulino bem como provar cabalmente que muita coisa atribuída ao apóstolo não pode ser afirmada como sendo fruto de suas convicções religiosas.

Outro fato que devemos afirmar e que mais tarde comprovaremos sob as cartas paulinas - particularmente as pastorais - é que os escritos do Apóstolo dos Gentios, em sua grande maioria, não são exclusivamente tratados teológicos. Ele não está preocupado em apresentar elucubrações mentais, divagações filosóficas ou tratados científicos. Antes sua preocupação vital é responder a questões práticas, cotidianas. Ele visa responder a problemas que surgem na vivência comunitária a luz da fé no Cristo.Assim, ao olharmos para as cartas paulinas encontraremos sempre ele respondendo a questões que se impõe à vida das comunidades por onde ele passava(Gl 1, 6; 1Cor 1, 10). Assim, as cartas pastorais, não obstante a querela em torno da autoria, são destinadas a lideranças de comunidades com o intuito de atenuar problemas pontuais e resolver dificuldades residuais de um determinado ambiente.

3 CARTAS PASTORAIS: GENERALIDADES

Desde o século XVIII4 as cartas que estão situadas na ordem do canônica da bíblia entre o 15º e o 18º livro do NT são comumente chamadas de “cartas pastorais”. O Termo pastoral, segundo Reinaldo Fabris, deve ser entendido em sentido “amplo, mais próximo do comunitário ou eclesial do que ‘clerical-hierárquico’5 . De fato, esse termo realça convenientemente a natureza peculiar desses escritos que contêm principalmente normas relativas aos “pastores” das comunidades.
Essas cartas diferenciam-se dos outros escritos paulinos, mas possuem uma homogeneidade entre elas. Distinguem-se dos textos paulinos, sobretudo pelo vocabulário e pelas orientações teológicas e espirituais. De outro lado ,elas são justamente parecidas por apresentam certa organicidade entre elas, isto é, tratam de assuntos similares com uma linguagem que se coaduna.
Sobre as Cartas Pastorais, grosso modo, podemos dizer: que elas não são dirigidas, tal qual as demais do corpus paulinus, a uma comunidade – embora o conteúdo seja de interesse formal de todos os membros. Elas são dirigidas a pessoas especificas, à lideranças comunitárias( A Timóteo, 1Tm 1,2; 2Tm 1,2 e A Tito 1,4). Versam , genericamente, sobre organização da vida de oração pública e privada da comunidade(1Tm 2, 1.8.); Executam instruções aos coordenadores de comunidades e elencam suas virtudes(1Tm 3, 1-7. 8-13; Tt 1, 6-9); Fazem exortações morais relativas aos diversos estados de vida( 1Tm 5,1.3.17.; 6, 1-2. 17-19 tt 2, 10). Em síntese, poderíamos dizer que elas versam sobre a organização da Igreja e sobre o estilo de vida dos Cristãos.

Uma peculiaridade desses textos que deve ser ressaltada advém da teologia que lhe subjaz. Nas cartas pastorais é intensa a presença da reflexão acerca da dimensão salvífica de Deus. Deus em Jesus é o Salvador6. Segundo Fabris “ O apelativo dado a Deus e a Cristo, sôter (‘salvador’) aparece dez vezes, num total de 13 no NT”7. E claro na teologia das pastorais que Deus quer salvar( 1 Tm 2,3; 2Tm 1, 9). Ele é o nosso salvador porque quer que nos cheguemos a conhecimento da verdade(1Tm 2,3-4). Ele faz isso – salvar-nos – por imensa gratuidade(Tt 2, 11; 3,7) em Jesus Cristo( 1Tm 1, 15; 2,5).

Uma vez apresentado de modo panorâmico as cartas pastorais convém adentramos num estudo mais acurado de cada uma delas. Tendo em vista a ampla e complexa discussão que há sobre a ordem histórica das três cartas, iniciaremos nosso estudo pela ordem canônica dos Textos: 1 e 2 Timóteo e Tito. Iniciemos, pois, pelo primeiro texto dirigido a Timóteo.

4 PRIMEIRA CARTA A TIMÓTEO

Essa carta a Timóteo, tal qual já falamos, é a primeira, canonicamente, das três reunidas sob o título de Pastorais. Ela é um texto relativamente curto,mas configura-se com a maior dentre elas. Possui seis capítulos e cento e dez versículos. Seu objetivo, haja vista que Paulo não escreve uma carta puramente abstrata, é triplo. Primeiro, instruir acerca da organização das Igrejas( Tm 3,1-5. 8-11); dirimir problemas relativos à falsas doutrinas que estão sendo ensinadas nas comunidades(Tm 1,6-7); Por fim, alentar o Jovem Timóteo a ser exemplo para comunidade(4, 12; 5,1.3.19; 6, 1).

Do texto podemos extrair, antes de entrarmos na analise dos capítulos a localização dessas comunidades. Paulo diz no capítulo primeiro versículo três: “conforme te recomendei a partir para macedônia, permanece em Éfeso para prescrever a alguns que não ensinem outra doutrina e não se apeguem a lendas e genealogia sem fim”. Desse modo, temos clareza que Paulo estava na macedônia, atual Turquia e Timóteo em Éfeso, atual Selçulk, Tuquia.
Assim, esse bilhete paulino, trata sucintamente de resolver questões pontuais na comunidade. Ele tenta organizá-la e visa estimular o representante principal a ser exemplo de liderança comunitária.Grosso modo percebemos a seguinte estrutura da carta

4.1 Estrutura Da Carta

A carta pode ser dividida da Seguinte maneira8

I 1, 1-20: Introdução
1, 1-2: Saudação
1, 3-20 : acusação para se opor aos judaizantes gnosticistas
1, 3-7 : Os erros deles
1,8-11: o uso incorreto da Lei
1, 12-17: O exemplo de Paulo
1, 18-20 : Timóteo comparado com os falsos doutores
II 2, 1-4, 10: Preceitos para as congregações
2,1-8 : oração e seu propósito
2, 9 -3, 1ª : Digna de confiança é esta palavra, para maridos e mulheres
3, 1b – 13 : Qualificações do epíscopo e diáconos
3, 14-16 : Seu propósito e sua base cristologica
4, 1 – 10 : advertência profética e sua aplicação
III 4,11- 6, 2 : Instruções a Timóteo
4,11 – 5, 2: Seu exemplo para os outros
5,2 – 6,2 : Sua supervisão dos estados de vida: Viúvas, Anciãos, Escravos e outros
IV 6, 3 – 19 : Advertências Finais
6,3- 10: Sobre os falsos doutores e suas motivações financeiras
6, 11 -16 : Exortação a Timóteo / conduta e motivos do homem de Deus.
6,17-19: Advertência aos fieis ricos/ uso correto da riqueza
6, 20 – 21: Advertência final a Timóteo e despedida

4.2 Análise dos Capítulos

Tal como afirmávamos acima o texto de primeira a Timóteo é um dos menores escritos do NT, contudo, entre as pastorais ela configura-se como mais extensa, detentora de seis capítulos e cento e dez versículos.
A Forma básica das cartas paulinas, repetida em 1Tm, é constante.9. Grosso modo ela comportava: Introdução, Ação de Graças, um contexto especifico e o encerramento(despedida).

Nas introduções , usualmente, o Apóstolo, tende a apresentar-se bem como direcionar sua carta à um individuo ou comunidade(Rm 1,7; Gl 1, 1-5; Tt, 1, 1-4 1Tm 1, 1-2). Paulo geralmente identifica-se como “Apóstolo” ou “Servo”( Rm 1,1 ; 1Cor 1,1). Os destinatários são chamados de Santos, diletos ou Igreja( 1Cor 1,2; Rm 1,7; Ef 1,1)
A ação de graças,presente em todas as cartas com exceção dos gálatas, é a expressão da gratidão do Senhor pelo feitos do senhor na vida da comunidade(1Cor 1,4; Fl 1, 3; Cl 1,3; 2Ts 1,3).
Em seguida vem o motivo concreto. Geralmente atende as vicissitudes próprias da comunidade. Trata-se de um problema concreto no qual o apóstolo tende a resolver a partir de elementos teológicos. Paulo é claro: Dado um problema concreto ele tende a respondê-lo a partir dos elementos da fé no Cristo.

Por fim, o encerramento. Paulo finaliza suas cartas com um benção( 1Cor 16,23; Gl 6,16.18) ou uma doxologia (Rm 16,25-27; Fl 4,20, ). Esta finalização, dizem alguns teólogos, expressa o forte desejo de que a graça do Senhor esteja com eles bem como é sinal da confiança que ele deposita nos seus. Paulo serve-se,ainda, do mecanismo de escrever algumas letras de próprio punho(1Cor 16,21; Gl 6,11; Cl 4,18; 2Ts 3,17) e um osculo Santo(Rm 16,16)

Na Carta a Timóteo no capítulo primeiro, temos o que os estudiosos de Sagrada escritura chamam de introdução. São vinte versículos nos quais Paulo apresenta-se e saúda seu fiel companheiro(1Tm 1,2). Logo em seguida, sinaliza um primeiro problema(Falsas doutrinas, vv. 3-4) ao qual a missão do discípulo é de combater na comunidade Macedônica.
Ao que tudo indica, o problema inicial da comunidade são pessoas que “apartaram-se” do caminho(vv.7). Esses problemas despontam em torno da lei (preceitos judaicos) e falsos ensinamentos (vv. 4) que são apregoados pelos “doutores da lei”. Contra isso, Paulo exorta Timóteo a lutar vorazmente, a “combater o Bom combate” (vv.19) fortificado pela fé(vv.18).
No capítulo segundo Paulo inicia uma dupla exortação. Indicando, por um lado preceitos a serem seguidos pelas pessoas no mundo bem como àqueles que assumem cargos na comunidade,na Igreja. Num primeiro núcleo( vv.1-7) Paulo indica os deveres da comunidade doméstica. Recomenda-os que rezem, que façam pedidos pelas autoridades constituídas(vv 1-4). Essas exortações são comuns nas cartas paulinas, contudo, parece que subjaz uma prece do apóstolo para que os “doutores da lei” / outros religiosos reconheçam a Deus(vv . 5-6)10

Em contigüidade a essa recomendação, já como parte do segundo bloco, o apóstolo dos gentios, inicia uma exortação para a unidade familiar. Ele dirige-se aos maridos, recomendando que rezem por toda parte (vv.8). Às mulheres ele exige que não se vistam de modo suntuoso(diria, escandaloso), antes que vistam-se de boas obras(vv.10). De igual forma, há uma polêmica sugestão para que elas permaneçam em silêncio(vv.11) – talvez seja porque as mulheres tenham sido afetadas pelo erros mencionados em 1Tm 1, 35; 4,1-5.
No capítulo terceiro o apóstolo volta-se para a organização “interna” da igreja. Ele sugere os qualificativos do Bispo, diáconos e Anciãos. Ao ver do apóstolo, nas recomendações a Timóteo, o Bispo deve ser: “Esposo de uma só mulher”, “sóbrio”, “ponderado”, “hospitaleiro”, “capaz de ensinar” e “governar”, não seja “recém convertido” e tem que ser confirmado pelo povo(vv.2.4.6); De maneira análoga são apresentadas as características do Diácono: “digno”,”ter uma só palavra”, não ser avarento; “Guarde o mistério da fé”, “provados”; “Esposos de uma mulher só”(vv. 8-9.12)

Deste capítulo podemos extrair uma breve conclusão, ao que tudo indica, a comunidade de Éfeso (ou arredores) já está caminhando para uma organização interna. Já há lideranças e ministérios sendo assinalados e, talvez, exercidos na estrutura da Igreja. Esse fato pontua a importância para qualquer comunidade do exercício ministerial, do trabalho pastoral.

Após essa breve digressão podemos retomar o capítulo quatro do texto. Nesse capítulo Paulo retoma novamente a questão dos erros da comunidade. Particularmente nos versículos de 1-7 ele tem expressar essa situação. Segundo Paulo, eles estão fora do caminho(“desencaminhados”) e por isso estão impondo à comunidade algumas regras como: “proibição do casamento”, “restrição alimentar”. A tudo isso, Paulo responde: “tudo o que Deus Criou é bom”. Em outras palavras nada no mundo é mal. São as nossas interpretações e as nossas ações em relação às coisas que fazem delas um mal ou um bem.

Em seguida, a carta dirige-se a Timóteo e à suas obrigações como “epíscopo” daquela comunidade. Ele deve ser “modelo nas palavras, no comportamento, no amor na fé , na pureza”(vv. 12). De igual modo deve exercitar-se na “leitura da escritura”, a “Exortação” ao “ensino”(vv.13). De Igual modo, ele é convidado a tratar com dignidade e respeito(1Tm 5,1) os anciãos (em grego, Presbítero = , Presbiteroi ); honrar as viúvas(vv.3.14)
A partir do versículo 17 do capítulo 5, o autor da carta dirige sua reflexão a estabelecer regras e conselhos para o relacionamento com os Anciãos e com os escravos. Os primeiros são dignos de honra(vv.17), não devem ser acusados levianamente(vv.19); aos que pecam, devem ser repreendidos(vv. 20); por fim, ninguém deve tornar-se presbítero precipitadamente(vv.22).
No capítulo sexto, inicia-se uma série de recomendações. Ao escravo, respeito pelo seu senhor(vv.1); Ao pastor, Timóteo, cabe procurar a justiça, a piedade a fé e o amor(vv.11); Por fim, aos ricos é recomendado que não se ensoberbeçam e não coloquem sua esperança em coisas vãs(vv.7) e enriqueçam-se, também, de boas obras(vv.18)
Em seguida o apóstolo finaliza com uma recomendação prática ao apóstolo: “Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, evitando as conversas vãs e profanas e as oposições da falsamente chamada ciência;  21 a qual professando-a alguns, se desviaram da fé. A graça seja convosco”. 

5 CARTA A TITO

Na ordem canônica das Sagradas Escrituras, no grupo chamado de cartas pastorais, o trecho dirigido à Tito é o último. Todavia, para fins de estudo nos deteremos nela, pois há muitas semelhanças entre a carta essa carta e aquela dirigida a Timóteo, intitulada de primeira epistola - que acabamos de estudar.
A carta dirigida a Tito é um texto curto, possui três capítulos e apenas quarenta e seis versículos. Isso não faz dela o menor escrito bíblico, contudo a torna a menor entre as pastorais. O objetivo de sua redação é similar ao que levou Paulo a escrever sua carta a Timóteo,isto é, problemas relativos à falsos ensinamentos(Tt 1,10) e orientações para vivencia comunitária.Tito tema perene missão de organizar a Igreja de Creta(Tt 1,5) na região da Grécia.
Sobre o destinatário da Carta – Tito – temos poucas informações. Sabe-se que ele foi um colaborador Paulino(2Cor 8,23). Sabe-se que ele é oriundo de uma família Pagã, grega(Gl 2,3). Ele acompanhou o apostolo na viagem a Jerusalém quando da aporia em torno da circuncisão e da incircuncisão (Gl,2,1). Eles desenvolve um preciso trabalho na comunidade de Corinto, reconduzindo-os ao caminho correto(2Cor 2,13; 7,6; 7,13). Tempos depois ele foi o responsável por recolher a coleta, muito recomendada por Paulo, em favor dos “santos de Jerusálem”(2Cor 8,6-21). Ao que tudo indica e,como já mencionamos, ele está em Creta quando a carta foi dirigida, para organizar a comunidade e eleger anciãos - em grego, Presbitero = , Presbiteroij – (Tt 1,5). Grosso modo percebemos a seguinte estrutura da carta

5.1 Divisão Esquemática da Carta

A carta pode ser dividida da Seguinte maneira11

I 1,1-4: Saudação
II 1,5-16: Instruções para Tito
1, 5-9 : Qualificações para os Epíscopos
1,10-2,1: A respeito dos falsos doutores
III 3,1-11: Obrigações dos fiéis
3,1-2 : a respeito da vida cívica
3, 3-8 : Sua base: “digna de confiança é esta Palavra”
3,9-11: A respeito dos falsos doutores
V 3, 12-15: Palavra Final
3,12,13: A respeito dos colaboradores
3,14 : Advertência repetida
3,15: Saudações e bênçãos que Paulo escreveu de próprio punho.

5.2 Análise dos capítulos

Em seus três capítulos percebe-se a natural estrutura de cartas utilizada por Paulo, mencionada acima. Ela tem uma introdução, um contexto e uma saudação final. Todavia, percebe-se a falta de uma ação de graças formal.
No capítulo primeiro temos a apresentação do autor da carta bem como o seu destinatário(vv. 1.4). Deve-se notar que esta saudação é mais extensa que as comuns. Paulo estende-se largamente nesta saudação. Há ainda uma brusca diferença na apresentação do autor. Ele foge do estilo convencional (apresentar-se como evangelizador e peregrino) e coloca-se como aquele que promove “o conhecimento da verdade conforme a fé”(Tt 1,1) Segundo Neyerey12 essa atitude deve justificar-se por algum motivo pastoral.
Em seguida a essa demorada apresentação desponta a missão de Tito. Ele deve concluir a organização da comunidade e estabelecer anciãos (vv.5) segundo a presciência de Paulo. Nos versículos imediatamente posteriores, Paulo elenca as qualidades dos anciãos:“esposo de uma só mulher”, “não seja ávido por lucros”, “Hospitaleiro” “inclinado ao bem” “apegado a palavra” e capaz de ensinar a “santa doutrina” e desautorizar qualquer um que a negue(vv. 6.8.9)
A partir do versículo 10 do capitulo primeiro da carta, o autor põem-se a rechaçar os pseudo-doutores. Do que pode ser extraído da carta percebemos o que esses indivíduos ensinavam: Primeiro, “ensinavam com vistas no lucro indecoros”(vv.11), “Fabulas Judaicas” e “preceitos de homens”(vv.14). Por fim, parece que ensinavam práticas dietéticas judaicas(vv.15-16). Certamente desponta aqui,novamente, a aporia entre as práticas judaicas e a liberdade em Cristo(Gl 5,1) que ainda não tinha sido resolvida em muitas comunidades do primeiro e segundo século - alguns afirmam que a separação total entre igreja e sinagoga só ocorrerá no século IV. Assim, tal qual aconteceu com os gauleses, pode-se supor que ocorreu com as Igrejas da região de Creta. Desse modo, seria natural essa oposição de Paulo às práticas estritamente judaicas, sobretudo no mundo pagão.

No capítulo segundo da carta dirigida a Tito, Paulo inicia uma série de recomendações ao seu discípulo. Paulo lhe recomenda que ensine a “sã doutrina”(vv.1). Pedagociamente, O Apóstolo recomenda uma série de virtudes aos idosos e idosas(vv.2-4), aos jovens(vv.7) e aos escravos(9-10). Essas recomendações, segundo Neyerey13, tem um valor muito mais amplo do que simples considerações práticas. Elas dizem do caráter público da nova religião (cristã). Esse fato porque todas as recomendações concorrem para um fim público,que é honra a Deus. A feita aos idosos, idosas, convergem para a última frase do versículo 5 : “ a fim de não ser blasfemada a palavra de Deus”. A recomendação feita direta a Tito(vv.7b-8) conclui seu raciocínio na seguinte expressão “ a fim de que o adversário, por não encontrar mal algum em nós, possa ser coberto de confusão”(vv.8). Por fim, o conselho dado aos escravos(9-10) termina com frase: “ Honrarão a doutrina de Deus, nosso salvador”(vv.10).
Nos versículos seguintes, temos uma argumentação lógica e uma conclusão óbvia . Se recebemos a graça de Deus(vv.11b) ela nós ensina, evidentemente, a renunciar tudo que contradiz nossa profissão de fé(vv.12a)e a acolhermos tudo que é digno dela(vv. 12b).
O último capítulo desse texto. Nos versículos 1-2, temos uma convocação do autor para que os “cristão” respeitem as autoridades civis. Em contigüidade a essa argumentação do respeito cívico, o autor apresenta qual a diferencial do ser cristão na sociedade. Para ele, em oposição ao que éramos antes(“pagãos’), pela graça de Deus manifesta a nós(vv.3-7), devemos ser “justificados”/ “santos” conseqüentemente não dados a rixas e discussões(vvv.3).
Por fim, Paulo faz uma apologia do que até agora escrevera(Tt 3,8)e uma observação com relação ao proceder com os heréticos(vv.9- 11) Em seguida há a tradicional saudação de despedia(vv 15); alguns conselhos e recomendações(vv.12-14)

6 SEGUNDA CARTA A TIMÓTEO

A segunda carta a Timóteo, como enunciamos acima, é a segunda na ordem canônica dos escritos pastorais. Trata-se um texto singular. Em comparação à primeira, ela é bastante pessoal. Revela a situação e os sentimentos do autor(2Tm 1, 15-16; 4,9-10.16.18). De igual modo, pontua as dificuldades internas da comunidade, a saber: “perseguição”(2Tm 3,12;); “discussões sobre os ensinamentos cristãos”(2,16-18).
Nesta carta, a partir dos elementos textuais, percebemos dados relativos à situação de Paulo. Ele está preso(2Tm 1,8) em Roma(2Tm 1,17). Sua condição é de profundamente rigorosa, ele está acorrentado(2Tm 2,9). Ao seu ver, o fim, sua morte, é eminente(4,6-8).
Não obstante essa situação adversa, ele “redige” uma carta a Timóteo justamente tentando alentá-lo de permanecer firme no seu ministério que perece de um grande desprestigio(2, 3-4.22-26), todavia o alento de qualquer missionário, ao ver de Paulo, vem da fé no Cristo(2,12-13).
Sucintamente, diríamos que a carta é redigida por um prisioneiro convicto que o Evangelho deve ser anunciado,mesmo em meio as dificuldades. Certo disso,ele estimula seu discípulo e fiel amigo a ser testemunha e anunciador desse Evangelho. Grosso modo percebemos a seguinte estrutura da carta

6.1 Divisão Esquemática da Carta

A carta propriamente dita pode ser dividida da Seguinte maneira14
I 1,1-5: Saudação e Ação de Graças
II 1,6-2,13 : Exortação a Timóteo
1,6-2,7: Para o testemunho Fiel em face da oposição
2,8-13 : À luz do exemplo de Paulo
III Advertências contra os falsos doutores
2,14-26 : Evitar controvérsias vãs
3,1-9 : Profecia a respeito dos falsos doutores e sua aplicação
3, 10-17 : A razão e o caminho para se contrapor aos falsos doutores
4, 1-5 : Exortação ao ministério Fiel
IV A situação e as expectativas Paulina
4, 6-8 :A morte próxima
4,9-16 : Sua necessidade da Vinda de Timóteo
4,17-18 : Sua confiança na presença de Deus e na redenção final
V 4,19-22: Saudações finais e benção que Paulo escreveu de próprio punho

6.2 ANÁLISE DOS CAPÍTULOS

Em seus quatro capítulos oitenta e três versículos, a segunda carta dirigida a Timóteo enquadra-se na estilo paulino de escrever, isto é, apresenta introdução, ação de graças , contexto e a saudação(Benção final).
No capitulo inicial, como é comum nos texto paulinos, há a apresentação do Autor e do destinatário(vv.1-2). Em seguida o autor detêm-se na ação de graças. De acordo com Neyrey15 “as cartas tipicamente paulinas contém ações de graças logo depois do Início da Carta e essas ações de graças em geral funcionam como resumo dos temas e assuntos principais da Carta. Está é também o caso aqui”. Paulo rende graças pela fé de Timóteo adquirida a partir de sua avó, Loide e sua mãe Eunice´(vv.5).
Em seguida, o autor inicia uma exortação a Timóteo. Ele tem a missão de reavivar o “dom de Deus”(vv.7). De igual forma, o discípulo não pode envergonhar-se do Senhor, do seu trabalho(vv.8). Dado que a Salvação vem de Deus, ela se torna o grande motivo de coragem do ministério de Timóteo(vv.9-10). Esse conselho tem como leitmotiv fazer de Timóteo cada vez mais fiel ao “depósito da fé”(vv.14). Em seguida Paulo faz uma lamentação pelos amigos que o abandonaram(vv.15) e uma prece por Onesiforo que lhe visitou na prisão(vv.16), cumprindo aquilo que narra o Evangelho de Mt 25,26 – interpretação.

No capítulo segundo, iniciamos uma nova seção de recomendações. Desta vez, trata-se de uma recomendação à Timóteo(2,1) relativo aos sofrimentos(vv.3) advindos da missão de anunciar o Evangelho que ele recebeu do próprio Paulo(vv.2). Todavia esse sofrimento não é absoluto ou vão, antes, brota da fé em Cristo(vv. 8-13). Em seguida desponta uma outra recomendação paulina ao seu fiel amigo, isto é, que evite “rixas vãs(vv.14)”, “Falatórios ímpios (vv.16)” e exageros relativos a ressurreição(vv.18). Ao que parece, a comunidade de Timóteo enfrenta sérios problemas de discussões e brigas em torno da idéia de ressurreição. Alguns exageravam na interpretação dada à ressurreição. Achavam que ela acontecia já no Batismo16. Assim, portanto desprezavam o corporal e buscavam somente as coisas espirituais. Paulo opõe-se a esse tipo de reflexão. Notem que ele não fala de pessoas externas à comunidade. Antes, ele fala a membros do grupo Cristão que interpretaram e vivenciaram de maneira incorreta a certeza da ressurreição de Jesus. A esse problema Timóteo é convocado, energicamente, a anunciar “ a palavra da verdade”(vv 15b) purificando a comunidade de todos erros tornando-os “úteis para o senhor”( 20-21). Por isso, Timóteo e os seus companheiros são convocados a se afastarem das “paixões da juventude”(vv.22) e as controvérsias vãs(vv.23). Antes são chamados à buscar a Justiça, da fé, do amor e da paz(vv 22-25).
No capítulo terceiro da Carta dirigida a Timóteo encontramos uma previsão paulina no estilo apocalíptico acerca das falsos intérpretes da Ressurreição, acenando para o fim dos tempos(vv. 1-5). Eles, diz Paulo, são dignos de repudio (vv.5). Certamente trata-se de pessoas(falsos doutores) que aliciavam indivíduos, sobretudo mulheres, para outras práticas religiosas ligadas, quiçá, a questão da gnose(vv.6-7), renegando assim o ensinamento de Cristo. Timóteo, contudo, é exortado, a partir daquilo que aprendera e vivenciara com Paulo, a permanecer fiel (vv.10-14), mesmo nas dificuldades. Fiel à “Sagradas Escrituras” que conduzem à salvação pela fé em Cristo, pois toda escritura é útil “ para ensinar, refutar, corrigir e educar”(vv.15-16). Portanto, Timóteo tem a sensata missão de alentar sua comunidade, ensiná-la aquilo que vivenciou acerca do Cristo(depósito da fé 1,140) e mais ainda corrigir aqueles que incorrem em Erro(2,25)

O capítulo quarto, continua o assunto iniciado no capítulo terceiro, isto é, as obrigações de Timóteo. Ele deve “anunciar a palavra”(vv.2.5)e censurar os erros(vv.2), mesmo em face da maldade humana(vv.3). Em seguida, Paulo fala sobre sua situação. Ao que tudo indica, ele está convalescido, em vias de morte, diante disso ele resume seu trabalho num belo hino(2tm 4,6-8)
Imediatamente depois a esse resumo, segue-se algumas recomendações a Timóteo(vv.9); Notícia do que lhe está acontecendo(16-17) e, por fim, faz sua tradicional saudação aos amigos(19-22).


REFERÊNCIAS

Bíblia de Jerusalém.São Paulo: Paulus.2004

Biblia TEB.São Paulo: Paulinas / Loyola. 1996

SUMPTIBUS PONTIFICI INSTITUTI BIBLICI. Novum testamenum. Gregai et latine. 4 ed. Roma: s/e .1942

CARREZ, M. (et. al)As cartas de Paulo, Tiago, Pedro e Judas São Paulo: Paulus.1987.

CELSO, Pedro. Entrevista sobre o Ano Paulino. REVISTA ANAIS Jun/2008. n. 06. São Paulo.

DALTER, Frederico. Eu, Paulo: Vida e doutrina de São Paulo. 2.ed. Petropolis: Vozes. 1978.

FABRIS, Rinaldo. As cartas de Paulo(III). São Paulo: Vozes. 1980

_____ Para ler Paulo. São Paulo: Vozes. 1996.

FERREIRA, Reuberson. Manuseio da Biblia. São Paulo. 2008(texto mimeografado)

_____ Paulo, um perfil Biográfico. São Paulo. 2008. Disponível em: www.abiblia.org

HAWTHONE, Gerald F., MARTIN, Ralph P., REID, Daniel G (org.) Cartas pastorais. Dicionário de Paulo. São Paulo: Loyola/ Paulus /Vida Nova. 2008.

NEYEREY, Jerome. 1 Timóteo H. BERGANT, Diane e KARRIS, Robert J.(ORG) Comentário Bíblico.v.III. São Paulo: Loyola.1999.

_____ 2 Timóteo H. BERGANT, Diane e KARRIS, Robert J.(ORG) Comentário Bíblico.v.III. São Paulo: Loyola.1999

_____ Tito H. BERGANT, Diane e KARRIS, Robert J.(ORG) Comentário Bíblico.v.III. São Paulo: Loyola.1999

MACKENZIE, John L Dicionário Bíblico. 6 ed. Paulus. São Paulo

O’CONNOR, Jerome Murphy. Paulo: história de um Apóstolo. São Paulo: Loyola. 2007

TERRA, João Evangelista Maria. Cartas de São Paulo.In___: Revista de Cultura bíblica. Ano 41 v. XXIII. 95/96 .São Paulo: Loyola. 2000.


1 cf. TERRA, João Evangelista Maria. Cartas de São Paulo.In___: Revista de Cultura bíblica. Ano 41 v. XXIII. 95/96 .São Paulo: Loyola. 2000.

2 Cf.DALTER, Frederico. Eu, Paulo: Vida e doutrina de São Paulo. 2.ed. Petropolis: Vozes. 1978. P. 21; Cf.CELSO, Pedro. Entrevista sobre o Ano Paulino. REVISTA ANAIS Jun/2008. n. 06. São Paulo.p16-18;FABRIS, Rinaldo. Para ler Paulo. São Paulo: Vozes. 1996.p.88-89. Ele apresenta uma distinção que insere-se na mesma linha dos dois precedentes, mas com uma nomenclatura mais simples: Paulinas e as da tradição Paulina.

3 cf. TERRA, João Evangelista Maria. Cartas de São Paulo.In___: Revista de Cultura bíblica. Ano 41 v. XXIII. 95/96 .São Paulo: Loyola. 2000.p121; FABRIS, Rinaldo. As cartas de Paulo(III). São Paulo: Vozes. 1980.p212; MACKENZIE, John L Dicionário Bíblico. 6 ed. Paulus. São Paulo.p.286

4 Cf. FABRIS, Rinaldo. As cartas de Paulo(III). São Paulo: Vozes. 1980.p211;MACKENZIE, John L Dicionário Bíblico. 6 ed. Paulus. São Paulo.p.285; TERRA, João Evangelista Maria. Cartas de São Paulo.In___: Revista de Cultura bíblica. Ano 41 v. XXIII. 95/96 São Paulo: Loyola. 2000..p.110

5 Cf. FABRIS, Rinaldo. As cartas de Paulo(III). São Paulo: Vozes. 1980.p211

6 cf.TERRA, João Evangelista Maria. Cartas de São Paulo.In___: Revista de Cultura bíblica. Ano 41 v. XXIII. 95/96 .São Paulo: Loyola. 2000.p116; FABRIS, Rinaldo. As cartas de Paulo(III). São Paulo: Vozes. 1980. p.225-26

7 Cf. FABRIS, Rinaldo. As cartas de Paulo(III). São Paulo: Vozes. 1980. p.226

8 HAWTHONE, Gerald F., MARTIN, Ralph P., REID, Daniel G (org.) Cartas pastorais. Dicionário de Paulo. São Paulo: Loyola/ Paulus /Vida Nova. 2008.p.189

9 HAWTHONE, Gerald F., MARTIN, Ralph P., REID, Daniel G (org.) Cartas pastorais. Dicionário de Paulo. São Paulo: Loyola/ Paulus /Vida Nova. 2008.p.192(Neste ponto sigo o raciocínio do dicionário citado.)

10Cf. NEYEREY, Jerome. 1 Carta a Timóteo H. BERGANT, Diane e KARRIS, Robert J.(ORG) Comentário Bíblico.v.III. São Paulo: Loyola.1999.285

11 Cf.HAWTHONE, Gerald F., MARTIN, Ralph P., REID, Daniel G (org.) Cartas pastorais. Dicionário de Paulo. São Paulo: Loyola/ Paulus /Vida Nova. 2008.p.189-190

12 Cf. NEYEREY, Jerome. 1 Carta a Tito H. BERGANT, Diane e KARRIS, Robert J.(ORG) Comentário Bíblico.v.III. São Paulo: Loyola.1999.297

13 Cf. NEYEREY, Jerome. 1 Carta a Tito H. BERGANT, Diane e KARRIS, Robert J.(ORG) Comentário Bíblico.v.III. São Paulo: Loyola.1999.298

14Cf: HAWTHONE, Gerald F., MARTIN, Ralph P., REID, Daniel G (org.) Cartas pastorais. Dicionário de Paulo. São Paulo: Loyola/ Paulus /Vida Nova. 2008.p.190

15 Cf. NEYEREY, Jerome. 1 Carta a Tito H. BERGANT, Diane e KARRIS, Robert J.(ORG) Comentário Bíblico.v.III. São Paulo: Loyola.1999.293

16 Cf. NEYEREY, Jerome. 1 Carta a Tito H. BERGANT, Diane e KARRIS, Robert J.(ORG) Comentário Bíblico.v.III. São Paulo: Loyola.1999.293; TERRA, João Evangelista Maria. Cartas de São Paulo.In___: Revista de Cultura bíblica. Ano 41 v. XXIII. 95/96 São Paulo: Loyola. 2000..p.114 CARREZ, M. (et. al)As cartas de Paulo, Tiago, Pedro e Judas São Paulo: Paulus.1987.p.257

1337 visitas

Nenhum comentário

Postar o primeiro comentário