Gólgota e o Sepulcro de Jesus

Estudo de Luiz da Rosa, em 21/03/2008


Leia mais sobre Arqueologia

Basílica do Santo Sepulcro, JerusalémOs quatro evangelistas individuam concordemente o lugar da crucifixão de Jesus. Mateus escreve: "Ao saírem, encontraram um homem de Cirene, de nome Simão. E o requisitaram para que carregasse a cruz. Chegando ao lugar chamado Gólgota, isto é, lugar que chamavam de Caveira, deram-lhe de beber vinho misturado com fel" (Mt 27,34a). Marcos conta: "E levaram-no fora para que o crucificassem. Requisitaram um certo Simão Cirineu, que passava por ali vindo do campo, para que carregasse a cruz. Era o pai de Alexandre e de Rufo. Levaram Jesus ao lugar chamado Gólgota, que, traduzindo, quer dizer o lugar da Caveira" (Mc 15, 20b-22). Lucas dá mais detalhes: "Enquanto o levaram, tomaram um certo Simão de Cirene, que vinha do campo, e impuseram-lhe a cruz para levá-la atrás de Jesus. Grande multidão do povo o seguia, como também mulheres que batiam no peito e se lamentavam por causa dele. ... Eram conduzidos também dois malfeitores para serem executados com ele. Chegando ao lugar chamado Caveira, lá o crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda" (Lc 23, 26-33). O quarto evangelista relata sinteticamente: "Então eles tomaram a Jesus. E ele saiu, carregando a sua cruz, e chegou ao chamado 'Lugar da Caveira' - em hebraico chamado Gólgota - onde o crucificaram; e, com ele, dois outros: um de cada lado e Jesus no meio." (Jo 19,17). Os evangelistas precisam que Jesus saiu a um lugar fora da cidade, em hebraico (aramaico!) chamado Gulgoltha (em latim "Calvaria", de onde Calvário).

Se Jesus foi crucificado fora da cidade, como se explica que o Calvário e seu sepulcro estejam dentro de seus muros? A cidade cresceu, ora! A arqueologia, além da realidade, o confirmou! Ademais, existe a sagrada tradição. Não a que vem do ocidente, mas a judeu-cristã, especialmente no que se refere ao lugar da sepultura de Adão, cuja caveira foi lavada pelo sangue de Cristo para que todos os filhos de Adão fossem nele pelo "segundo Adão" remidos...

Orígenes refere que a tradição relativa ao sepulcro de Adão no mesmo lugar da crucifixão de Cristo é de origem hebraica. Esse padre da Igreja, nascido em Alexandria do Egito no ano 185, argumenta: "De modo que, como todos morrem em Adão, todos possam ressurgir no Cristo". A pequena abside aos pés do Calvário (Capela de Adão) perpetua esse antiqüíssimo vestígio de natureza simbólica. Eusébio de Cesaréia, antes dos trabalhos (327-335) empreendidos por ordem do imperador Constantino, testemunha: "O lugar da caveira, onde Cristo foi crucificado, ainda hoje é mostrado em Élia, ao norte do monte Sião", embora o culto idolátrico da deusa Vênus/Afrodite se tenha apoderado do lugar, há muito tempo. Uma preciosa cruz, que se perdeu nos saques posteriores, não tardou a ser colocada no topo da elevação rochosa, considerada pelos cristãos como o umbigo, centro espiritual, do mundo (S. Cirilo de Jerusalém, IV séc.).

Eusébio de Cesaréia (pelo ano 340) refere detalhadamente as circunstâncias que levaram à descoberta do sepulcro de Cristo, encoberto por imensa terraplenagem desde o tempo do imperador Adriano (135 d. C.). Narra ele que o imperador Constantino, pouco depois de 325, ordenara derrubar o templo pagão e desentulhar em profundidade o terreno "e, então, contra toda a esperança, apareceu... o venerando e santíssimo testemunho da ressurreição salvífica". Desde então a tumba reencontrada foi sempre venerada, até ser destruída por ordem do califa Hakem (1009) e era possível observá-la completamente escavada na rocha, por estar revestida de mármore só externamente, relata o peregrino Arculfo, do VII séc.

Apesar das numerosas restaurações, da tripartida basílica constantiniana (Martyrion, Tripórtico e Anástasis) sobra apenas a rotunda da Anástasis, qual grandioso mausoléu sobre o túmulo vazio de Cristo. O resto da construção, a saber, o ingresso a sul, o Cathólicon ao centro, o deambulatório e a capela subterrânea de Sta. Helena é obra dos cruzados (1141). O terremoto de 1927 causou graves rachaduras no monumento; as restaurações, iniciadas em 1960, oportunizaram um conhecimento mais aprofundado sobre a história e a topografia do lugar ao tempo de Cristo.

Desde o século 14, os franciscanos usufruem dos direitos de celebrar na Basílica juntamente com os demais diversos ritos cristãos, direitos esses concedidos inicialmente, a seu bel-prazer, pelo paxá do Cairo e, desde 1517, pelo sultão de Constantinopla, chegando em 1757 e 1852 a estabelecer o "Statu quo", um férreo ordenamento que até hoje regula a convivência das diversas comunidades.

Veja fotos da Basílica

1468 visitas

Nenhum comentário

Postar o primeiro comentário