A cristologia é uma parte da teologia cristã que estuda Jesus. Ela se ocupa de diversos aspectos, dentre os quais poderíamos sublinhar sobretudo: a sua natureza, se divina, humana ou as duas; o seu papel na redenção humana; a relação entre Ele, o Pai e o Espírito Santo.

Nos primeiros séculos da igreja esse argumento foi muito debatido. Nessa época os Concílios Ecumênicos tiveram que lidar com diversas heresias, como o arianismo, que não acreditava que o Deus-Pai e o Deus-Filho tivessem a mesma natureza. As principais definições desta época estão sintetizadas no “Símbolo Niceno-Constantinopolitano”, que é o creio onde são afirmadas a unicidade de Deus, a natureza humana e divina de Jesus e a trinidade divina (implicitamente).

Na América Latina se desenvolveu a “cristologia da libertação”, que, na expressão do teólogo Jon Sobrino, seu representante mais significativo, busca recuperar a espessura teológica e o significado revelador da vida terrena de Jesus com o objetivo de recriar sua prática, hoje, para prosseguir sua causa.