Siga-nos no FaceBook




Lugares bíblicos

Nos textos originais da Bíblia quais são as palavras que são traduzidas por amor e quais seus significados?

Pergunta de Larissa , Curitiba
Resposta de Luiz da Rosa, em 25/12/2011


Leia mais sobre Amor

É uma boa pergunta. Ela nos coloca diante de uma realidade que nós, leitores de traduções do texto sagrado, às vezes, não tomamos em consideração. Cada tradução, embora fruto do esforço de pessoas competentes, representa sempre um distanciamento do original. É um processo natural e não necessariamente tendencioso. Esse processo é muito significativo se tomamos em consideração esse vocábulo que você menciona, o amor.

 

Temos que considerar o hebraico e o grego.

Em hebraico o termo mais comum é 'ahava' e equivale ao nosso substantivo "amor" nos seus diversos significados. Outros termos usados são dod e raya (amor passional e pessoa amada, sobretudo no livro Cântico dos Cânticos), yada (Salmo 127,2), hasaq (Samos 91,14), habab (Deuteronômio 33,3), agab (Jeremias 4,30 referido à amante) e raham (salmos 18,1).

O sentido de amor pode ser diverso, dependendo do contexto. Pode, por exemplo, ser usado nas relações pessoais (Gênesis 22,2), que não tem nenhuma referência sexual, mas também em sentido de desejo sexual, como é evidente em Cântico dos Cânticos. Mas fundamentalmente é uma força interior que leva a uma ação agradável, caracterizada pelo sacrifício de si mesmo para alcançar o bem da pessoa amada (Levíticos 19,18) ou obter o objeto que provoca desejo (Gênesis 27,4).

 

É muito importante notar que o amor é também uma característica divina. Ele ama, sobretudo, o coletivo, os seres humanos, o seu povo, Israel. É uma característica natural, comparada ao amor da mãe pelo filho (Isaías 49,15). Em Oséias esse aspecto divino é evidenciado em modo particular: a natureza amorevel de Deus não pode ser condicionada pela paixão e nem pela traição. A infidelidade do povo não pode afastar o amor de Deus, pois, como declara Jeremias, Deus diz: ti amei com um amor eterno (31,3).

 

Por causa desta característica divina, o amor é um dever religioso: é preciso amar a Deus com todo o ser (Deuteronômio 6,5). E, nesse sentido, o amor não é entendido meramente como observância de leis, mas sim como convite a uma relação pessoal entre o fiel e Deus. Ao mesmo tempo esse amor a Deus se revela e se transforma em amor ao próximo (Levíticos 19,17).

 

O problema mais complexo em relação ao amor está no Novo Testamento, nos termos em grego.

A palavra grega mais comum é agape, agapao. É a palavra que os gregos (na LXX) usaram para traduzir o termo amor presente no Antigo Testamento. Uma palavra usada como alternativa para agape é phileo. Esta é usada mais explicitamente para o sentimento de afeto íntimo (João 11,3; Apocalipse 3,19) ou para indicar satisfação  em relação às coisas prazerosas (Mateus 6,5).

 

Uma passagem clássica, que nos ajuda a entender bem a diferença de termos usados para o vocábulo português "amor", se encontra em João 21,15-17.

Jesus pergunta a Pedro, seu apóstolo preferito, se o amava (Jesus usa o verbo agapao). Pedro não responde com o mesmo verbo, mas responde utilizando o vocábulo grego phileo. Seria como se respondese: Sim, Senhor, tu sabes que eu sou teu amigo. Nesse caso o uso de "agapao" e "phileo" tem um papel fundamental na trasmissão da mensagem do evangelista. Todavia, em nossas traduções, esse aspecto não trasparece. De fato, se tomamos nossas traduções, é difícil encontrar uma que deixe trasparecer a diferença entre a pergunta de Jesus e a resposta de Pedro. Quase todas usam indistintamente a palavra "amor", seja para a pergunta de Jesus que para a resposta de Pedro. Invés, somente na terceira resposta Pedro se conforma e responde com o mesmo vocábulo usado por Cristo na pergunta. Obviamente o uso de um vocábulo diverso nas nossas traduções ajudaria a entender melhor o texto.

 

Para deixar mais claro, abaixo você pode ver a tradução da Almeira Revista e Atualizada, indicado o vocábulo grego usado no texto original de João:

21:15 - Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me (agapao) mais do que estes outros? Ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo (phileo). Ele lhe disse: Apascenta os meus cordeiros.

21,16 - Tornou a perguntar-lhe pela segunda vez: Simão, filho de João, tu me amas (agapao)? Ele lhe respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo (phileo). Disse-lhe Jesus: Pastoreia as minhas ovelhas.

21,17 - Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me (agapao)? Simão entristeceu-se por lhe ter dito terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: SENHOR, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo (agapao). Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas.

A Bíblia de Jersualém, por exemplo, ao menos coloca em nota uma explicação, dizendo que são usados, no grego, dois termos diversos para amor, mas relativiza a sua importância sublinhando a hipótese que seja apenas uma questão de estilo. Particularmente continuo crendo que os tradutores deveriam estudar um modo de traduzir que demonstrasse de forma mais evidente essas nuances presentes no texto.

2357 visitas

1 comentário

Postar um comentário

  • ad (Colatina) - 26/12/2011

    Luiz da Rosa, vc disse tudo! Eu ainda digo: se os eridutos, que pensam ser tão sábios, o fossem realmente, já teriam criado palavras, em nosso idioma,que refletissem o real sentido das escrituras. Não apenas pela palavra amor, que dá todo sentido a este texto citado, mas sobretudo pelas palavras lei, alma, inferno, e outras que, caso refletissem o sentido proposto pelos autores originais, exterminariam alguns milhares de doutrinas baseadas em distorções causadas por essas insuficiencias nas traduções.