A pergunta trata de um dos textos mais complexos do livro do √?xodo. Refere-se a um epis√≥dio estranho e confuso. Come√ßo dizendo que foram dadas muitas explica√ß√Ķes deste fato.

Primeiro de tudo, vamos ver o contexto. Depois que Deus falou na Sar√ßa ardente e lhe deu a miss√£o de regressar em Egito para libertar os hebreus que eram escravos, Mois√©s come√ßa a colocar em pr√°tica a sua tarefa. Por√©m, durante a viagem, que faz junto com a esposa Z√≠pora, uma madianita, e com seu filho, o Senhor encontra Mois√©s e tenta mat√°-lo. Z√≠pora ent√£o faz a circuncis√£o do filho e diz a frase que fale de ‚??marido de sangue‚?? e assim a ira do Senhor termina. Em seguida Deus coloca ao lado de Mois√©s o seu irm√£o Ara√£o e os dois chegam ao Egito, onde come√ßam as suas miss√Ķes de libertar o povo hebreu do Egito.

Para abreviar e simplificar, sublinhamos dois aspectos problem√°ticos na passagem:
1. a circuncis√£o;
2. a frase pronuciada por Zípora.

Quanto à circuncisão, do contexto deduzimos que o episódio faz com que Moisés possa regressar ao Egito, enquanto que antes havia algo que lhe impedia. Portanto se trata de algo essencial.
A explica√ß√£o normalmente dada ao epis√≥dio √© que na fronteirca com o Egito Deus fica irado com Mois√©s por que n√£o ele n√£o √© circuncidado. Z√≠pora, ent√£o, circuncide o filho e, colocando sobre Mois√©s o prep√ļcio cortado, faz com que Mois√©s seja considerado circuncidado. Seria, nesse caso, uma circuncis√£o ‚??vig√°ria‚??, pois Mois√©s √© adulto e n√£o poderia viajar para o Egito depois de ter feito a circunci√ß√£o, pois deveria ficar em repouso.

Por√©m, um grande comentator judeu da B√≠blia da √©poca medieval, Rashi, diz que Deus fica irado com Mois√©s por que ele n√£o circuncidou o filho. O mesmo afirma o Talmud (tratado Nedarim, 31a - 32a). A tradi√ß√£o exeg√©tica judaica √© quase un√Ęnime em atribuir o epis√≥dio √† aus√™ncia da circuncis√£o de J√©rson, filho de Mois√©s e Z√≠pora. No Tamud se diz que Mois√©s exitou em faz√™-lo por que teria sido perigoso viajar logo em seguida, com a ferida (a situa√ß√£o de invalidez tempor√°ria depois da circuncis√£o √© exemplificada em Gn 34,25).
O Talmud traz tamb√©m uma outra opini√£o: Satan√°s (n√£o Deus, pois dizer que Deus mata √© problem√°tico) tentou matar J√©rson, n√£o Mois√©s, e o ‚??marido‚?? seria exatamente ele, o filho. Por√©m n√£o existem evid√™ncias b√≠blicas para sustentar tal hip√≥tese.

Essas breves considera√ß√Ķes nos dizem ao menos duas coisas:
1. que com a circuncisão estamos diante de alguma coisa de fundamental para a realização da missão de Moisés;
2. que existe a intenção de explicar uma prática comum naquela época.

Os pesquisadores nos indicam que em outras culturas existiam um rito di inicia√ß√£o parecido, realizado com a presen√ßa de mulheres. O jovem √© levado at√© elas no deserto. O jovem ent√£o tem um encontro com um ‚??esp√≠rito perigoso‚??, recebe uma miss√£o e volta ao seu povo com uma ferida misteriosa. Com tal rito vem indicada a passagvem da adolesc√™ncia √† idade adulta, um tipo de renascimento.
Particularmente para os hebreus, a circuncisão constitue um sinal permanente no homem da sua Aliança com Deus e, portanto, significa o momento da sua incorporação ao povo de Deus. Assim, admitindo que Moisés fosse circunciso (na Bíblia não é dito nada sobre uma circuncisão de Moisés, mas é estranho pensar que não tinha sido, considerando que quando a filha do faraó o encontra no rio Nilo, percebe logo que é hebreu), provavelmente o seu filho não era. Moisés, encarregado por Deus para libertar o povo do Egito, a ação fundamental da história do povo de Deus, sem a qual Israel não existiria, tem uma parte, o filho, que não é circuncisa. Seria como que dizer: não é um hebreu! Nesse momento fundamental, é importante ficar claro que os protagonistas pertencem de modo definitivo ao Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó.

Digamos, para resumir e concluir, que, deixando fora alguns elementos d√ļbios, √© claro que Mois√©s pode iniciar a realizar a miss√£o que Deus lhe deu somente com um sinal que indica que n√£o √© simplismente o homem Mois√©s, pr√≠ncipe do Egito, que por sua iniciativa vai libertar o seu povo. √?, inv√©s, o Mois√©s enviado por Deus por que √© Deus mesmo e somente Ele que, atrav√©s do corpo do seu enviado, liberta o seu povo. O sinal √© t√£o necess√°rio que √© descrito como uma condi√ß√£o para que Mois√©s n√£o morra.

Quanto √†quilo que fez Z√≠pora, o problema √© ainda mais cheio de controv√©rsia. A tentativa de matar Mois√©s termina quando ela pronuncia a frase ‚??√©s meu marido de sangue‚??, uma frase que, como o nosso texto diz, √© t√≠pica do rito de circuncis√£o.

Existem testemunhan√ßas, por exemplo no Egito, que falam de uma circuncis√£o praticada como um ritual pr√©-matrimonial, na puberdade, que fazia com que o jovem entrasse plenamente na vida sexual e que era realizada pelo sogro. E, na verdade, a palavra hebraica usada no vers√≠culo ao qual a sua pergunta faz refer√™ncia para indicar ‚??marido‚?? pode ser traduzida tamb√©m como sogro.

Desse modo, no sinal do sangue, o marido se tornava efetivamente marido.

Talvez estamos diante de um epis√≥dio que pretende explicar a pr√°tica da circuncis√£o em idade juvenil √†quela praticada nas crian√ßas. Com um fato estranho, por√©m: o ritual √© feito por Z√≠pora. Isso acontece por que ela era a √ļnica capaz de realizar a circuncis√£o naquela ocasi√£o. Atrav√©s disso ela restabelece a continuidade f√≠sica de Mois√©s com o seu povo, interrompida por causa dos eventos que, na √©poca da sua inf√Ęncia, lhe salvaram da f√ļria homic√≠dia do fara√≥.

Tendo presente esses elementos, tentamos resconstuir os fatos. Mois√©s, que recebeu a miss√£o divina de ir ao Egito para salvar o povo, n√£o circuncide o filho, talvez para n√£o fazer uma viagem com uma crian√ßa ferida. Todavia n√£o pode realizar a sua miss√£o sem que a sua uni√£o com o Deus de Abra√£o, Isaac e Jac√≥ seja manifestada com um sinal concreto, que √© a circuncis√£o. Tal situa√ß√£o lhe deixa em uma situa√ß√£o perigosa que lhe impede de prosseguir. Z√≠pora, provavelmente a √ļnica capaz de fazer alguma coisa, realiza a circuncis√£o de acordo com o rito em uso naquele tempo e desse modo o impedimento de Mois√©s termina. Daquele momento em diante, Mois√©s, plenamente pertencente ao seu povo atrav√©s da liga√ß√£o especial com Deus, pode realizar a miss√£o no nome do Deus de Israel.