Dois peda√ßos de um antigo manuscrito b√≠blico, divididos durante s√©culos e conservados em continentes diversos, foram unidos pela primeira vez numa exposi√ß√£o em fevereiro no Museu Nacional de Israel. Os fragmentos t√™m 1300 anos e fazem parte de um desaparecido grupo de manuscritos b√≠blicos hebraicos. N√£o se sabia que faziam parte do mesmo manuscrito at√© que uma fotografia de um desses fragmentos foi esibida em 2007, chamando a aten√ß√£o dos estudiosos. Os fragmentos cont√™m o Canto do Mar, entoado pelos povo de Israel depois de terem fugido da escravid√£o no Egito, assistindo a destrui√ß√£o do ex√©rcito do Fara√≥, no Mar Vermelho, presente em √?xodo 15.

A descoberta da unidade dos dois fragmentos aconteceu quando uma página do Canto, conhecida como o Manuscrito de Ashkar, conservada na Carolina do Norte (USA), foi exposta no Museum de Jerusalém, em 2007. Mordechay Mishor e Edna Engel, dois fotógrafos israelianos, vendo a fotografia do manuscrito num jornal, perceberam a semelhança com outro manuscrito, conhecido como Manuscrito de Londres, pertencente à coleção privada de Stephan Loewentheil de Nova Iorque.

Foi possível reconhecer a unidade graças à uniformidade das letras, à estrutura do texto e às técnicas usadas pelo escriba. De fato a relação entre os dois manuscritos não é evidente para alguém que não é esperto. O fragmento de Ashkar está totalmente escurecido, por causa da exposição. Tanto que o texto, embora presente, não é legível. O manuscrito de Londres, invés está muito melhor conservado. Os cientistas confirmaram, depois de alguns exames, que os textos pertenciam ao mesmo rótulo.

A hip√≥tese √© que o r√≥tulo foi escrito no s√©timo s√©culo, no Oriente M√©dio, provavelmente no Egito. A import√Ęncia do texto reside no fato que a sua origem data de um per√≠odo chamado ‚??silencioso‚?Ě em rela√ß√£o aos textos da B√≠blia Hebraica, entre o terceiro e d√©cimo s√©culo depois de Cristo, um intervalo de 7 s√©culos do qual quase nenhum texto b√≠blico chegou at√© n√≥s. Uma curiosidade desses manuscritos, se comparados com os textos encontrados em Qumran, √© que o Canto do Mar se encontra em versos, como numa poesia, enquanto que em Qumran eles eram escritos em prosa. Nas nossas b√≠blias aparecem em versos.