A sua pergunta é muito popular e ocupa o coração de tantos cristãos. E nem é uma temática moderna, pois já na comunidade cristã nascente, aquela de Coríntios, existia essa preocupação (veja 1Coríntios 15). Essa interrogação, primeiro de tudo, denota uma íntima fé na vida eterna, no paraíso. De fato, nós fomos ensinados que depois da morte nos espera a vida eterna, junto com Deus, no paraíso, se quisermos.

Isso já nos foi transmitido a partir do Antigo Testamento, através do livro da Sabedoria (presente somente na versão católica da Bíblia). Ali lemos: Os justos vivem para sempre, recebem do Senhor sua recompensa, cuida deles o Altíssimo (Sabedoria 5,15).

Com o Novo Testamento e a pregação de Cristo se sublinha a fé na ressurreição dos mortos. E neste caso os textos são vários:
* Mateus 22,31-32: Quanto à ressurreição dos mortos, não lestes o que Deus vos declarou: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó? Ora, ele não é Deus de mortos, mas sim de vivos;
* João 11,25-26: Jesus disse: “Eu sou a ressurreição. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá. E quem vive e crê em mim jamais morrerá”;
* Romanos 8,11: E se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita em vós, aquele que ressuscitou Cristo Jesus dentre os mortos dará vida também a vossos corpos mortais, mediante o seu Espírito que habita em vós.
* 1Tessalonicences 4,13-14: Irmãos, não queremos que ignoreis o que se refere aos mortos, para não ficardes tristes como os outros que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também os que morreram em Jesus, Deus há de levá-los em sua companhia.

Quanto à morada jundo de Deus, foi o próprio Cristo que disse que nos preparia um lugar: Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu vos teria dito, pois vou prepar-vos um lugar... (João 14,2). No último livro da Bíblia se especifica como é essa morada: Eis a tenda de Deus com os homens. Ele habitará com eles; eles serão o seu povo, e ele, Deu-com-eles, será o seu Deus. Ele enxugará toda lágrima dos seus olhos, pois nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais (Apocalipse 21,3-4).

Esses textos dão uma breve síntese da teologia bíblica sobre a Vita Eterna, sobre a ressurreição. Contudo tenho certeza que você não ficou satisfeito com a resposta. Talvez não existe uma resposta. De fato é um mistério da nossa fé e se o mistério pudesse ser explicado não existiria mais. O filósofo Pascal dizia que normalmente, no ambiente humano, precisamos conhecer as coisas para amá-las, mas, na esfera divina, precisamos, invés, amar para conhecê-las. É nesse sentido que devemos ler quanto diz João na sua primeira carta: Amados, desde já somos filhos de Deus, mas o que nós seremos ainda não se manisfestou. Sabemos que por ocasião desta manifestação seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é.