Uma janela sobre o mundo bíblico

A lei: uma justiça maior



  • Estudo
  • 785
  • 17/10/2017
Ombretta Pisano

Leia mais sobre Torah | Lei |


Não é fácil entender a Lei, isto é, todos os preceitos e mandamentos que encontramos no Primeiro Testamento e que encontraram seu desenvolvimento na subsequente doutrina dos mestres de Israel, especialmente da corrente farisaica. O ponto de partida para entendê-la bem é o texto de Mateus 5,17-20:

Não pensem que eu vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim abolir, mas dar-lhes pleno cumprimento. Eu garanto a vocês: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem sequer uma letra ou vírgula serão tiradas da Lei, sem que tudo aconteça. Portanto, quem desobedecer a um só desses mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazer o mesmo, será considerado o menor no Reino do Céu. Por outro lado, quem os praticar e ensinar, será considerado grande no Reino do Céu. Com efeito, eu lhes garanto: se a justiça de vocês não superar a dos doutores da Lei e dos fariseus, vocês não entrarão no Reino do Céu.

Há preconceitos, entre os cristãos, que fazem com que se veja a Lei (os mandamentos e preceitos) contidos no Primeiro Testamento como incompatível com os preceitos evangélicos e desatualizada. É um prejuízo existente já nas primeiras comunidades dos discípulos de Jesus. "Agora temos Jesus; nele está a plenitude da revelação divina. A que servem os mandamentos e os outros preceitos transmitidos pela tradição?" O evangelista Mateus, um judeu que escreve acima de tudo para os fiéis do judaísmo, nos diz que o próprio Jesus procura esclarecer este ponto. Jesus é apresentado como o novo Moisés que, no "Monte", renova a lei. Não se trata de uma lei diferente, mas de seu "mais", do sentido de justiça que Jesus revela enquanto ensina a observá-la.

 

A Lei: um limite ao caos

Existem vários termos na Bíblia que recordam a lei; um em particular nos ajuda a entender o que é: CHOQ. "Choq" é um palanque de madeira, que é usado para marcar as fronteiras, as divisões de propriedades. A fronteira marca um limite, mas também é o que permite que tudo exista em sua diversidade e individualidade. Um exemplo desse conceito vem do Livro de Gênesis: Deus cria através de sua Palavra, e com esta Palavra, por um lado, cria suas criaturas, cada uma diferente e particular ("de acordo com sua espécie"), por outro lado impõe a cada um o seu próprio limite. Deus faz o mundo através das separações: separa a luz da escuridão; as águas do seco; as águas superiores (chuvas) das que estão embaixo (mares e rios). Se todas essas coisas, boas em si mesmas, não tivessem limites, uma fronteira, teríamos o caos, a confusão, a anti-criação. Tudo o que foi criado veria anulada a sua dignidade individual e inclusive a possibilidade da sua existência. Na história do Dilúvio (Gen 7) encontramos explicado esse conceito: através da confusão das águas, que excedem seus limites e invadem a terra seca, Deus anula a primeira criação e tudo morre. No mundo humano e terrestre, o direito e suas leis são a expressão do limite que permite viver juntos.

Vista assim, a lei é a descoberta da existência de outros diferentes de nós, Deus e os irmãos, e nos ensina a relacioná-los de acordo com sua peculiaridade. O paradoxo da lei é que se trata de uma limitação que nos faz experimentar uma liberdade absoluta, porque somente quando descobrimos que os outros existem, finalmente começamos a sair de nós mesmos e a nos libertar.

 

A lei é a vida do irmão

Um texto que nos ajuda a entender a explicação acima se encontra em Êxodo 22,24-26. Esse texto fala da lei que regula o empréstimo. A lei que Deus dá a Israel diz:

"Se você emprestar dinheiro a alguém do meu povo, a um pobre que vive ao seu lado, você não se comportará como agiota: vocês não devem cobrar juros. Se você tomar como penhor o manto do seu próximo, deverá devolvê-lo antes do pôr-do-sol, porque ele se cobre com o manto, que é a veste do seu corpo; como iria cobrir-se ao dormir? Caso contrário, se ele clamar a mim, eu o ouvirei, porque sou compassivo."

A proposta em si já é positiva e protege o pobre, pois fazer um empréstimo para seu irmão sem juros, dá-lhe a chance de se levantar. Porém a lei não só protege o irmão que se tornou pobre, mas também o rico que faz o empréstimo. De fato, o texto diz: "Quando você empresta algo, na espera que lhe seja devolvido, sem juros, tu pedirás uma garantia até que o seu empréstimo seja restituído".

Todavia, mais adiante, a lei também diz que se a garantia que você tem é a capa do seu irmão, você deve devolver antes da noite, porque essa é a sua pele; Se estiver frio com o que ele irá se cobrir? Desta forma, a lei protege os ricos e responde à necessidade de justiça em relação àqueles que se privam de algo e fazem um empréstimo, mas se essa garantia dada ao rico é o que permite ao irmão pobre viver, e sem ela o irmão sofre, como é o caso do cobertor, antes que o sol se põe e o frio comece, o manto deve ser devolvido ao pobre, renunciando assim à garantia do empréstimo dado, porque a vida do irmão é mais importante.

Nisso se encontra o “mais” de justiça: a verdadeira Lei é a vida do irmão: “caso contrário, quando ele clamar a um, eu o ouvirei” (êxodo 22,25). A Lei, portanto, garante o meu direito, mas até quando também é garantida a vida do meu irmão. A Lei é garantia de direito, mas tem uma justiça mais elevada, que se encontra no amor ao próximo. Para obedecer a esta Lei precisa ter sido liberado de si mesmo e do próprio egoísmo; ser livre para amar, por que não existe justiça da Lei se não está ao serviço do amor.

785 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook