Siga-nos no FaceBook




Lugares bíblicos

O que fala o texto original de João 8 a respeito da mulher adúltera e a atitude de Jesus naquele momento?

Pergunta de valéria, riode janeiro
Resposta de Ivete Holthmam, em 18/02/2014


Leia mais sobre Mulher adultera

Ola Valéria,

Leia esta reflexão sobre o texto de João 8,1-11. Penso que você vai compreender melhor a perícope.

Esta é uma história muito interessante que só aparece no Evangelho de João. O texto relata que enquanto Jesus esta ensinando no Templo, os escribas e fariseus “trazem uma mulher que foi surpreendida em flagrante delito de adultério” e na Lei está escrito que “tais mulheres devem ser apedrejadas”. Que pecado ela cometeu para ser trazida diante da comunidade e ser condenada à morte? Vamos ver o que a Torá (Lei) nos diz sobre o pecado de adultério:

“Se um homem adulterar com a mulher do seu próximo, será morto o adúltero e a adúltera”(Lv 20,10).

Observamos que a Torá diz que os dois serão mortos, o adultero e a adultera. Mas  é interessante notar que não diz com que tipo de morte eles devem morrer.

Voltarmos ao texto, no Evangelho notamos duas coisas: Não existe um homem, somente a mulher e esta deve ser mostra a pedradas. Chegamos à conclusão que o pecado dessa mulher não se refere ao que está escrito em Lv 20,10. Portanto, a pergunta é: de que tipo de adultério se trata? E onde está escrito que Moisés ordena apedrejar tais mulheres.

Quando lemos o texto imediatamente pensamos que se trata de sexo, mas na realidade se trata de outro tipo de pecado, vejamos o texto da Torá no qual está escrito que tipo de transgressão ela cometeu:

“Quando no meio de ti, em alguma das tuas cidades que te dá o Senhor, teu Deus, se achar algum homem ou mulher que proceda mal aos olhos do Senhor, teu Deus, transgredindo a sua aliança, que vá, e sirva a outros deuses, e os adore, ou ao sol, ou à lua, ou a todo o exército do céu, o que eu não ordenei; e te seja denunciado, e o ouvires; então, indagarás bem; e eis que, sendo verdade e certo que se fez tal abominação em Israel, então, levarás o homem ou a mulher que fez este malefício às tuas portas e os apedrejarás, até que morram”.(Dt 17,2-5)

Para compreendermos melhor este texto temos que saber que a Escritura, para falar do relacionamento entre Deus e Israel, usa a linguagem do casamento. Deus é o esposo e Israel é a esposa. No momento em que a comunidade é fiel, Israel é tratada como a virgem de Israel. Há circunstâncias em que ela é infiel e aí ela é chamada de prostituta, ou adultera; e há também circunstâncias em que ela faz o papel de viúva, como se o esposo estivesse morto, então Israel é apresentado na figura da viúva. Estes quatro aspectos: virgindade, prostituição, adultério e viuvez caracterizam na Escritura, e no Novo Testamento, o povo de Israel – Israel é a mulher fiel, ou infiel. Veja-se Ez. 16, Os. 1.

Percebemos então que o pecado da mulheré o de infidelidade à aliança, não se trata de uma transgressão na área do sexo. Ela foi infiel não a um homem, mas a Deus. A Aliança, o casamento, como nas Bodas de Kaná, foi violada.

Houve uma transgressão da Aliança de algum modo e neste caso, segundo a lei, ela deve ser apedrejada.

Os escribas e fariseus tinham razão, a “Lei ordena apedrejar tais mulheres”. “Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo.” Este gesto de Jesus é muito significativo e aparece apenas uma vez na Escritura.

“Quando Ele terminou de falar com Moisés no monte Sinai, entregou-lhe as duas tábuas do Testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus.”(Ex 31,18).

O gesto de Jesus, ‘Inclinando-se, ele escrevia sobre a terra’, evoca o Dom da Torá no Sinai (Sl. 18,10), e significa, neste contexto, que o autor do texto está fazendo Jesus estar de acordo com a injunção da Torá e a afirmação dos Fariseus. Vamos, então, apedrejar a mulher. Mas, há um problema: para fazermos isso é necessário que sejamos puros, sem pecado – lembremo-nos que a Mulher representa o povo, isto é, Fariseus e escribas que estão presentes na historinha – então, como nenhum dos presentes, exceto Jesus é puro, evidentemente, o autor faz com que todos se retirem de cena, exceto Jesus – por isso é que o gesto acima é novamente repetido, mas com novo sentido: agora sua função é falar de uma nova atitude, uma nova revelação (?), ou um aspecto ainda não percebido na revelação do Sinai – isto é, o perdão.

As tabuas de Pedra escritas com o dedo de Deus é a Torá, a Aliança entre Deus e o povo de Israel. Este gesto de Jesus de escrever com o dedo nos leva a refletir sobre duas realidades; primeiramente que Ele é o próprio Deus que se abaixa para estar com a humanidade; em segundo lugar quer recordar quantas vezes na história de Israel houve infidelidades, e quantas vezes Deus lhe perdoou.

Mas eles persistiam em interrogá-lo, então, ele se ergue e diz: “Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra!”. Ele se inclina novamente e continua a escrever. Com esta frase de Jesus eles caem em si e percebem que são pecadores. Logo, começam a sair um após o outro, começando pelos mais velhos.

Poderíamos explorar mais este conceito de infidelidade, no entanto, o mais importante é reconhecermos nossa condição de criaturas. Todos nós temos as mesmas dificuldades. Deus na sua infinita bondade nos perdoa sempre.


1410 visitas

Nenhum comentário

Postar o primeiro comentário