Uma janela sobre o mundo bíblico

Débora, profetisa e juíza



  • Estudo
  • 140923
  • 31/03/2012
Ivete Holthmam

Leia mais sobre Débora |


 

A profetisa Débora (Jz 4,1-16)

O quarto dos juízes que governou o povo judeu após a morte de Josué, não era um homem, mas uma mulher, uma das mais famosas de todos os tempos, a profetisa Débora. Antes dela foram Otniel, Eúde e Sangar, este último apenas por um curto período de tempo.
Após a morte de Ehud os judeus abandonaram os caminhos da Torá e adotaram muitos dos ídolos. Como consequência Deus os entregou nas mãos do rei de Canaã, Jabim, cuja residência real era a cidade de Hazor. Seu cruel general, Sísera, oprimiu os judeus durante vinte anos. Sísera possuía um exército bem treinado de cavalaria. Ele também tinha carros de ferro que eram os "tanques" daqueles dias. Os judeus sofreram terrivelmente sob o domínio cruel de Sísera, e em grande desespero clamaram a Deus.

 

Foi então que Deus enviou a Profetisa Deborah. Ela era uma das sete profetisas mulheres, cujas profecias estão registradas na Bíblia. (Ex 15,20; Jz 4,4; 2Rs 22,14; Nee 6,14; Is 8,3; Lc 2,36;)

 

Débora viveu nas montanhas de Efraim, entre Ramá e Betel. No meio do pecado e da idolatria, Débora permaneceu fiel a Deus e Sua Torá. Ela foi sábia e temente a Deus, e as pessoas se aglomeravam ao seu redor para pedir conselho e ajuda. Deborah julgava debaixo de uma palmeira, ao ar livre. Lá, onde todos pudessem ouvi-la, ela advertia o povo judeu e os exortava a deixar seus maus caminhos e voltar a Deus. Toda a nação judaica, respeitava esta grande profetisa.

 

O história começa mostrando Israel sendo oprimido por Jabin rei de Hazor. Deborah é uma mulher profeta, alguém que fala com autoridade divina, e ela é a mulher de Lapidot. Eshet Lapidot que poderia ser traduzido como "esposa de Lapidot", mas também significa "mulher de tochas." Esta palavra, Lapidot, "tochas", aparece normalmente onde esperaríamos o nome de um marido, mas é um nome  que soa estranho para um homem e, além disso, não tem o padrão usado na literatura bíblica  "filho de".

 

O leitor deve decidir se vai traduzir Lapidot como um nome ou um substantivo. Traduzi-lo como "mulher de Lapidot" tem a vantagem de enfatizar que um profeta pode ser casado e que uma mulher casada pode ter outro papel.

 

Por outro lado, traduzindo como "mulher de tochas" ou "mulher ardente" se encaixa na imagem de Deborah e tem muito a ver com a literatura bíblica, na qual, quase sempre os nomes tem um significado. Na realidade, "mulher tocha", se caracteriza por  um jogo de palavras significativas, pois é Deborah, não seu marido, que é a tocha que acende Barak  (cujo nome significa "relâmpago ou aquele que emite raios de luz") como chamas. Além disso, na mitologia mesopotâmica, a tocha e os relâmpagos (tsullat e Hanish) são os arautos do deus da tempestade. Da mesma forma, "Mulher tocha" e "Relâmpago"  são arautos nesta luta contra os cananeus.

  • Na Haggadah sobre este texto está escrito: Na escola de Elias foi ensinado: eu chamo o céu e a terra para testemunhar que seja um pagão ou um judeu, um homem ou uma mulher, um servo, ou uma serva, o Espírito Santo inunda qualquer um de acordo com as obras que ele ou ela realiza.E [Quais foram os feitos meritórios de Débora?] Diz-se que o marido de Débora era analfabeto [na Torá]. Então sua esposa disse a ele: "Venha, vou fazer pavios para você, levá-los para o Lugar Santo em Shiloh. Sua parte será, em seguida, estar com homens valorosos de Israel [que irão estudar à luz dos] pavios, e você merecerá a vida no mundo por vir. "Ela teve o cuidado de fazer os pavios grossos, de modo que a sua luz fosse ampla. Ele trouxe estes pavios ao Lugar Santo [em Shiloh]. O Santo, que examina os corações e as atitudes da humanidade, disse-lhe: Deborah, uma vez que você teve o cuidado de fazer a luz para o estudo da minha Torá, vou fazer com que a luz de sua profecia seja ampla na presença das 12 tribos de Israel.

 

Embaixo da palmeira Débora julgava Israel. Da mesma forma, os sábios judeus, explicam que Debora se sentava sob uma palmeira para mostrar ao mundo que o povo judeu era unido e voltava seus olhos para Deus, como as folhas da palmeira viram para cima juntas, em direção ao céu.


Os "juízes" eram líderes carismáticos de Israel nos tempo anteriores à monarquia. Esses líderes normalmente adquiriam autoridade política depois que salvavam Israel através de uma batalha.


Será que Deborah se torna uma juíza da mesma maneira, por liderar um grupo na batalha? Ou talvez ela adquiriu sua autoridade, oferecendo sábios conselhos que a levou a uma vitória, ou por previsão de uma questão importante que se tornou realidade. A história nunca nos diz.


No "Cântico", Deborah descreve um colapso total da ordem em Israel. “Ficaram desertas as aldeias em Israel, repousaram, até que, Débora, se levantou, se levantou como mãe em Israel. (Juízes 5,7)". De alguma forma, Deborah impôs a ordem em Israel. Como isso aconteceu, nem o poema nem os registros da história dizem. Seu silêncio sobre tais assuntos importantes é um lembrete de que nem a história nem a canção foram enquadradas como um registro da vida de Débora.


E Debora “mandou chamar Barac” (Jz 4,6). O que levou Deborah a chamar Barak? Debora chama Barak em seu papel profeta, uma enviada de Deus. Além disso, se dá a entender que Debora está seguindo uma chamada anterior a Barak. Ela diz: “O Deus de Israel não te deu uma ordem?” Deus tinha falado com Barak, e o chamado de Deborah é uma segunda convocação. Barak está relutante em ir, como Moisés antes dele, como Gideão e Samuel mais tarde na história de Israel, e outros chamados por Deus para serem enviados. Ele procura uma certeza de que Deus está realmente com ele e insiste em que Débora deve ir com ele para a área de batalha onde os guerreiros estão reunidos. Ele diz: “Se fores comigo, irei; porém, se não fores comigo, não irei.”  (4,8) E Debora responde: “Certamente, irei contigo, porém não será tua a honra da investida que empreendes; pois às mãos de uma mulher o Senhor entregará a Sísera.



Barac é “fraco”por isso precisa de Debora?

Os leitores ficam muitas vezes incomodados pela relutância de Barak em não querer ir sem Deborah, declarando que sua hesitação torna "menos viril" ou macula a sua glória. Mas Barak tem boas razões para estar inseguro: Jabin, afinal, tem novecentos carros! Além disso, os profetas desempenhar vários papéis em batalhas: eles reúnem e inspiram as tropas, e também declaram o tempo correto, auspicioso para começar. Os profetas são uma presença tão importante na batalha que Elias e Eliseu são chamados de "carruagem e cabalaria de Israel."



Profetas Femininas, Mulheres em Guerra

Muitos leitores desta história ficam particularmente preocupados com a presença das mulheres na guerra, pensam que elas estão lá de alguma forma fora de lugar. Mas a maioria dos profetas assírios eram mulheres, e os relatórios, tanto do antigo e próximo Oriente Médio mostram um padrão consistente da presença de mulheres para inspirar as tropas e insultar o inimigo. Não há nenhuma razão para pensar que os leitores bíblicos achem estranho o pedido de Barak a Deborah, como uma mulher profeta



A arma de Débora, a Palavra, mostra Deus como verdadeiro Salvador de Israel

No Monte Tabor, Deborah, a profetisa, anuncia a vitória dizendo: “Não saiu o Senhor diante de ti”? (4,14). Então, Barak desceu o monte. Ela mesma não desce para a batalha. Como Moisés, Deborah não é um comandante de batalha. Seu papel é inspirar, prever e comemorar com um cântico. Sua arma é a palavra, e seu nome é um anagrama de "ela falou" (dibberah). A batalha em si não é essencial. É importante apenas para lembrar que Deus foi à frente:. Debora anunciou a vitória de Deus, Barak facilitou, mas foi Deus quem salvou Israel. O Cântico de Débora dá uma ideia de como Deus derrotou Canaã: Deus trouxe uma enchente que fez um pântano de deslizamento de lama em que os carros eram inúteis.


Mulher e mãe

Tanto a história como o cântico enfatizam o fato de que Deborah é uma mulher. A história diz-nos que ela era uma mulher profetisa, acrescentando a palavra "mulher", ishah, também o substantivo feminino "profetisa", nebi'ah, já transmite essa informação.
E a canção sublinha que Deborah foi uma "mãe em Israel." A feminilidade não é nem oculta nem incidental: é parte integrante da história. A maternidade da "mãe em Israel" vai além da biologia. Ele descreve seu papel como conselheira durante os dias que antecederam a guerra, e indica seu papel na preservação da herança de Israel, no seu caso, aconselhando na batalha.
O sentido mais amplo de Deborah como mãe, é revelado em seu nome, que não é apenas um anagrama de "ela falou", mas é, também, um substantivo que significa "abelha". Como a abelha rainha, ela levanta o enxame para a batalha, enviando os zangões para proteger a colmeia e conquistar novos territórios.

140923 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook