Uma janela sobre o mundo bíblico

Quanto tempo deveria ser a peregrinação de Israel no deserto quando da saída do Egito, se acaso eles fossem obedientes a Deus?



  • Pergunta de Anderson Cruz, Joinville
  • 186740
  • 14/01/2012
Luiz da Rosa

Os hebreus viveram no Egito por 430 anos (Êxodo 2,40). No final deste período foram submetidos a trabalhos forçados. Então Moisés, tendo Araão como portavoz, recebeu de Deus a missão de conduzir o povo para formar uma nação (Êxodo 3 - 4), na Palestina, a Terra Prometida. Isso aconteceu, independente primeiro da crueldade do Faraó e da infidelidade do próprio povo (Josué 24). O êxodo dos hebreus é contado em Êxodo 14.

 

O livro do Êxodo conta que os filhos de Israel, tendo fugido do Egito, caminharam pelo deserto durante 40 anos:

16.35: E comeram os filhos de Israel maná quarenta anos, até que entraram em terra habitada; comeram maná até que chegaram aos termos da terra de Canaã.

 

A sua pergunta é interessante por que insinua uma visão pouco comum. Normalmente não se aborda essa questão, ou seja, o fato que a caminhada do povo pudesse ter durado menos tempo se ele tivesse sido fiel. O texto em Números 14, que conta a revolta de Israel, poderia ser uma base para essa sua hipótese. Nesse texto, com o povo já às portas da Palestina, os hebreus duvidam da capacidade do Senhor de lhes conduzir na Terra Prometida e pretendem voltar ao Egito. Sob a intercessão de Moisés Deus perdoa o povo, mas diz que ninguém daqueles ali presente entrará na Terra Prometida, mas morrerão no deserto (exceto Cabeb e Josué) e conclui dizendo:

por quarenta naos levareis o peso de vossas faltas e sabereis o que é o fato de me abandonar.

Poderíamos ligar também com quanto contado em Juízes 13,1: o povo desobedece a Deus e é entregue, por 40 anos, nas mãos dos filisteus. E ainda com o Salmo 95,10: Quarenta anos estive desgostado com esta geração, e disse: É um povo que erra de coração, e não tem conhecido os meus caminhos.
 

 

Não sabemos como teria sido se o povo não tivesse pecado. Além do mais a leitura que julga os 40 anos como punição pode ser sempre uma interpretação. Deuteronômio, por exemplo, parece mais otimista. Diz, de fato, que Deus esteve sempre presente no deserto, não deixando faltar nada (2,7); nesse caminho o povo foi sempre guiado pelo Senhor (8,2).

 

A leitura mais incisiva do número 40 vem de uma ótica simbólica. Nesta ótica, o período de tempo delimitado com esse número é proprício para a ação de Deus, seja como purificação que como manifestação.

Muitos textos bíblicos revelam o valor simbólico deste número:

  • Moisés, esteve na nuvem, quando subiu o Sinai para receber a Lei, 40 dias e 40 noites (Êxodo 24,18);
  • Os exploradores de Canaã, enviados por Moisés, levaram 40 dias para explorar a Terra Prometida (Números 13,24);
  • Quando há paz, no livro dos Juízes, a terra "sossega por 40 anos" (3,11; 5,32; 8,22);
  • Davi reinou 40 anos (2Samuel 5,4) e também Salomão (1Reis 11,42). O mesmo período teria reinado Saul, segundo Atos dos Apóstolos 13,21;
  • A caminhada de Elias até o Horeb, depois de ter sido alimentado por Deus, durou 40 dias e quanrenta noites (1Reis 19,8);
  • Jonas dá a Nínive o prazo de 40 dias para que se converta (3,4);
  • Jesus, depois do batismo, jejua 40 dias e 40 noites (Mateus 4,2). Durante esse período, segundo Marcos 1,13, foi tentado por Satanás (veja também Lucas 4,2);
  • Atos 1,3 diz que Jesus, depois da sua ressurreição, durante 40 dias apareceu aos discípulos.

186740 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook