Uma janela sobre o mundo bíblico

Quando nós morremos sem Cristo é verdade que vamos para o tormento que ainda não é o inferno? E, quando morremos em cristo é verdade que vamos para o seio de Abraão que ainda não é o céu? O que é seio de Abraão? O que é ceio de abraão?



  • Pergunta de Christianne, Rio de Janeiro
  • 32160
  • 29/06/2009
Luiz da Rosa

Leia mais sobre Vida depois da morte |


A expressão seio de Abraão aparece em Lucas 16,22, no contexto da consolação dos justos depois da morte e da intimidade que estes terão com o “pai Abraão”.
O texto é aquele da parábola do rico e do pobre Lázaro e diz: “Aconteceu que o pobre morreu e foi levado pelos anjos ao seio de Abraão.” Trata-se de uma expressão judaica que traduz a antiga frase presente no Antigo Testamento ‘reunir-se a seus pais’, ou seja, reunir-se com os patriarcas (veja Juízes 2,10: “E quando toda aquela geração, por seu turno, se reuniu a seus pais, sucedeu-lhe uma outrar geração que não conhecia a Iahweh nem a obra que le tinha fieto por Israel.”). Revela também a realidade da promessa feita aos patriarcas que é transmitida aos verdadeiros filhos de Abraão, ‘pai na fé’, que participarão, com os patriarcas, ao banquete celeste. Em Mateus 8,11 lemos: “Mas eu vos digo que virão muitos do oriente e do ocidente e se assentarão à mesa no Reino dos Césu, com Abraão, Isaac e Jacó...”

A união com Abraão, o estar no seio de Abraão, portanto, pode ser considerado como uma evocação da era messiânica, que a partir de Isaías pode ser visto como um banquete (Isaías 25,6; 55,1-2). Portanto, em prática, “seio de Abraão” significa uma realidade celeste, o céu segundo nossas categorias teológicas e morais.

Para onde vamos depois da morte é um mistério. Não mistério no sentido de coisa escondida, mas mistério como algo compreensível somente no âmbito da fé. Sabemos que temos uma “moradia” preparada para nós e que somos destinados à vida eterna, mas não como isso acontecerá. Graças, também a influências de obras literárias como a Divina Comédia de Dante, pensamos sempre em Céu, inferno e Purgatório, como 3 ‘locais’ para onde iríamos depois da morte. O purgatório é uma categoria teológica católica. O céu reservado aos justos, o inferno àqueles condenados e o purgatório, como se deduz do nome, àqueles que devem purificar-se de seus pecados, mas que não são definitivamente condenados ao inferno. Portanto o purgatório seria um tipo de ‘sala de espera’ para o céu e as pessoas que ali se encontram seriam destinadas ao céu e não ao inferno. Digamos que embora ainda vigente, tal teologia não é mais muito enfatizada. Mesmo por que se depois da morte não existe mais a categoria ‘tempo’, como se pode ficar ‘por algum tempo’ num lugar? De qualquer forma se sublinha que o purgatório não é um lugar e nem uma punição divina, mas sim um dom de Deus que acolhe o pecador que, embora de modo imperfeito, caminhava na graça. Tal idéia é ligada com a tradição da oração pelos mortos, que se baseia sobretudo em 2Macabeus 12,42-45, quando Judas Macabeu e a multidão rezam por soldados mortos lutando pela causa dos judeus, mas que haviam cometido um pecado, para que os seus pecados sejam perdoados.

Várias confissões não concordam com a doutrina da igreja católica, pois retém que a argumentação baseada em 2Macabeus não é válida, visto que é um livro que não faz parte da bíblia dos judeus e, por isso, também não está na bíblia de Lutero.

32160 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook