Segundo o calendário bíblico, qual é a ordem dos meses do ano?

Pergunta de Tiago , Goiania
Resposta de Silvia Togneri, em 24/04/2011


Leia mais sobre Calendário Calendário

Tiago a respeito da sua pergunta, é preciso considerar que o calendário hebraico, que o povo da bíblia usava,  é solar e lunar ao mesmo tempo conforme o Sl 104,19  e Gn 1, e isto vai ocasionar uma diferença de dias a cada 19 anos. Comparando com o calendário cristão que é baseado no número de dias em que a Terra leva para dar uma volta completa em torno do sol, haverá algumas diferenças. No calendário hebraico o início dos meses do ano corresponde ao início da lua nova e a ordem dos meses se apresenta da seguinte forma:

 

ORDEM DO MÊS

   NOME
Calendário hebraico

 DURAÇÃO

CORRESPONDENTE NO ANO SOLAR

 1º mês

Nissan

30 dias

Março/Abril

 2º mês

Iyar

29 dias

Abril/ Maio

 3º mês

Sivan

30 dias

Maio/Junho

 4º mês

Tammuz

29 dias

Junho/ Julho

 5º mês

Av

30 dias

Julho/ Agosto

 6º mês

Elul

29 dias

Agosto/Setembro

 7º mês

Tishrei

30 dias

Setembro/Outubro

 8º mês

Heshvan

29 ou 30 dias

Outubro/Novembro

 9º mês

Kislev

29 ou 30 dias

Novembro/Dezembro

10º mês

Tevet

29 dias

Dezembro/Janeiro

11º mês

Shevat

30 dias

Janeiro/Fevereiro

12º mês

Adar I

30 dias

Fevereiro/ Março

Um outro mês Adar II com 29 dias é inserido a cada 19 anos para equilibrar a  diferença entre o calendário solar e lunar que é de dias (10 dias e 21 horas). Assim como no calendário cristão em que acontece o ano bissexto a cada 4 anos, para compensar o número de dias e de horas em que a Terra leva para dar uma volta completa em torno do Sol.

 

 

O calendário hebraico está baseado no calendário babilônico, do qual tirou os mesmos nomes para os meses e a mesma utilização do ciclo de ajuste a cada 19 anos. É um dos mais antigos calendários em uso, uma vez que provavelmente começou a ser aplicado após o Exílio da Babilônia, a partir de 536 aC ( antes de Cristo).

Para maiores detalhes veja neste site o artigo: Os Calendários na Terra Bíblica de Luiz da Rosa.

2901 visitas

Nenhum comentário

Postar o primeiro comentário