Uma janela sobre o mundo bíblico

Gostaria que você comentasse sobre o Lucas 16,19-31 a respeito dos dois personagens, o rico e Lázaro no que diz respeito à Fé. O texto não diz se Lázaro é uma pessoa crente, de fé, mas apenas um excluido. No entatanto foi para o seio de Abraão. Por outro lado, o texto também não esclarece se o rico era uma pessoa má, se tinha alguma fé. Apenas era um bom vivant e foi para o lugar de tormento. Gostaria de saber qual foi o mérito de Lázaro em ser justificado e o demérito do rico em não sê-lo. Ressalte-se que não estou criticando ou discordando. Só querendo entender teologicamente. Muito obrigado



  • Pergunta de Antonio Alves do Rosario, Brasilia Distrito Federal
  • 11257
  • 23/04/2007
Ombretta Pisano

Leia mais sobre Ricos/Riqueza | Lázaro | Lucas


Antonio, a insistência sobre o contraste entre rico e pobre, sobre o uso correto dos bens materiais é típica na teologia de Lucas, que traz muitos ensinamentos de Jesus sobre o tema.
Apresentando um exemplo, o exegeta Joseph Fitzmeyer (Luke the theologian, 1989) sublinha como no Evangelho de Marcos (1,18.20) os discípulos são convidados por Jesus a deixar as suas redes e a segui-lo, enquanto que em Lucas 5,11 Jesus diz para os discípulos para “deixar tudo”. Há outros textos em Lucas onde aparece o contraste entre ricos e pobres: 1,53; 3,11.14; 4,18; 6,20-24; 14,13 - além do texto da nossa parábola, 16,19-31.

Tendo presente essa introdução, abre-se uma possível perspectiva em relação ao texto citado por você: em primeiro lugar é frisada a relação entre rico e pobre. O contexto da narração na qual aparece a parábola parece que confirma esta tese. Estamos dentro de um capítulo no qual o ensinamento sobre o Reino de Deus e os critérios para entrar nele são protagonistas e a nossa passagem em particular encerra uma sessão na qual encontramos muitas referências à riqueza: a parábola do administrator desonesto (16,1-8), o ditado sobre Deus e Mammona (16,9-13), sobre os amantes do dinheiro (16,14-15), sobre as exigências para entrar no Reino (16,16-18). Esta passagem sobre o pobre Lázaro e o rico traz o doutrina cristã sobre a relação entre riquezas materiais e o Reino de Deus: as conseqüências reais e irremediáveis do comportamento da pessoa não em conformidade com a “lei dos profetas” (16,29) se manifestarão depis da morte.

Lendo a passagem nos damos conta, primeiro de tudo, do fato que o rico, ao contrário do pobre, não tem nome. Se considerarmos que na Bíblia o ‘nome’ tem um significado profundo, pois manifesta a identidade e a intimidade da pessoa, o fato que o nome do rico não vem dito certamente tem um sentido. Na verdade exatamente aquilo que materialmente (no sentido capitalista) ‘dá o nome’ a uma pessoa, ou seja, a riqueza, os honores, os vestidos chiques, na visão de Deus tem um efeito contrário: o anonimato absoluto. Estamos diante de uma pessoa que no Reino de Deus é desconhecida e, em certo sentido, desconhecida até mesmo por Deus (lembremos aquilo que Jesus diz às “virgens espertas” em Mateus 25,12, sempre quando fala do juízo e da entrada e esclusão do Reino: “na verdadevos digo: não vos conheço!”). A riqueza tratada como faz o rico da parábola tem, diante de Deus, a consequência de apagar o próprio ‘nome’.

O pobre lázaro, invés, que se encontra na situação limítrofe de uma doença repugnante e da fome, que ‘jaz’ imóvel, dependendo completamente da piedade dos outros, é conhecido pelo nome: pelo rico, não apenas por que convive, mas por que é um impotente e, por isso, está à mercê do potente, que conhece tudo sobre ele, que lhe tem nas suas mãos. É conhecido, portém, também no Reino dos Céus (Abraão lhe chama por nome), mesmo se os motivos deste previlégio não são ditos na parábola.
Outro contraste surge com a morte dos dois personagens. O destino humano que faz com que sejamos todos uguais, a morte, revela-se como ponto crucial através do qual a situação se transforma, se rivolta. Isto se vê já através dos vocábulos utilizados: enquanto Lázaro (que não tem ninguém que lhe sepulte) é ‘conduzido ao sieo de Abraão’, o rico é ‘sepultado’ e basta. Lázaro condivide o detino dos profetas, no seio de Abraão, mas o rico se encontra agora abaixo, lá onde estava Lázaro durante a sua vida terrena. Agora é o rico que tem que levantar os olhos para cima, para rogar piedade.

O rico, que se dá conta do seu comportamento errôneo e que também sabe que já não existe mais nada a fazer para remediar o mal feito, se preocupa pelos seus parentes; deseja que não tenham o mesmo destino que coube a ele. Eu creio que é a conclusão da narração que nos ilumina de forma clara e nos ajuda a encontrar uma explicação à sua pergunta.
A “Lei” e os “Profetas” (leia-se, com esta expressão, o resumo de todo o ensinamento do Antigo Testamento, do Pentateuco a aos profetas) são os critérios para o comportamento correto na vida, o critério que nunca foi tido em consideração pelo rico, um parâmetro que sempre acompanha a vida daqueles que se definem fiéis a Deus.

A atuação do rico durante o nosso texto sublinha como ele é o protagonista da parábola. Ele não praticou a justiça comandada pela Lei e pelos Profetas e isto lhe excluiu do Reino. Condividem o seu destino todos aqueles que repetem o seu modo de agir e que não escutam nem mesmo aquele que ressuscitou dos mortos que, vivo, continua proclamando a mesma doutrina.

Díziamos que nada é dito sobre o motivo do privilégio de Lázaro, o pobre. Não é sem razão: quem escuta o ensinamento que traz a parábola não deve se preocupar com este particular. A atitude daquele que ‘faz justiça, prescinde dos juízos sobre a ‘dignidade’ daquele que encontra diante de si. A única coisa que interessa é escutar o grito do pobre. Podemos aqui lembrar uma outra narração, que traz uma doutrina parecida, ou seja, a parábola do Bom Samaritano, que Jesus usa como exemplo para responder à pergunta sobre “quem é o meu próximo”. Porém também aqui somos convidados a mudar a nossa pergunta, que deve ser “o que tenho que fazer EU para entrar no Reino de Deus?”

Para responder de modo mais esplicito à sua pergunta, Antonio, no texto de Lucas não tem nenhuma importância o fato que Lázaro tenha ou não fé. Importa invés que o rico se comporta como alguém que não tem nenhuma. Entrar no Reino de Deus é questão de justiça, de justiça na relação com os outros realizada com os próprios bens e a própria posição; depende de como respondemos ao pedido de piedade e justiça, independentemente dos méritos de quem está fazendo o pedido, pois não cabe a nós estabelecer quem, entre aqueles que nos suplicam ajuda, seja digno de entrar no seio de Abraão.

11257 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook