Uma janela sobre o mundo bíblico

Apócrifos: Maria educa seu filho Jesus



  • Estudo
  • 5371
  • 29/11/2007
Jacir de Freitas

Leia mais sobre Apócrifos


As histórias da infância de Jesus, suas travessuras e milagres, são inúmeras nos Evangelhos Apócrifos. Escolhemos algumas relacionadas diretamente com Maria, quem mostram o papel dela como educadora de Jesus.

Maria, falando de Jesus menino para João, diz: “A primeira vista, Jesus era um menino como os outros. Bem, não exatamente como os outros, porque era lindíssimo. Alguns dirão, João, que eu exagero e que é paixão de mãe. Porém, tu, que o amavas quase tanto quanto eu, sabes que meu filho era de verdade muito formoso, embora o tivesses conhecido já como homem, enquanto eu tive a imensa felicidade de vê-lo crescer dia a dia ao meu lado. Jesus era um menino como os outros, ao mesmo tempo bem diferente” [1].

Pseudo Evangelho de Mateus 26,1-3 conta que, quando Jesus tinha 4 anos de idade, ele estava brincando com outras crianças, em um dia de sábado. “Jesus foi sentar-se e fez 7 lagoinhas de barro interligadas por pequenos canais, por meio dos quais, à sua ordem, a água corria da torrente para as lagoinhas e voltava novamente. Outro menino, filho do diabo, repleto de inveja, fechou a compota que controlava a entrada da água e acabou com aquilo que Jesus fizera. Jesus lhe disse: -‘Ai de ti, filho da morte, filho de Satanás! Tu destruíste a obra que fiz?’ E imediatamente o (menino) que havia feito aquilo caiu morto.

Os pais dele se revoltaram contra Maria e José, dizendo: -‘Vosso filho amaldiçoou o nosso filho e ele morreu’. Quando José e Maria ouviram aquilo, foram logo ter com Jesus, por causa da revolta dos pais do menino e do ajuntamento de judeus.

José disse baixinho a Maria: -‘Eu não tenho coragem de falar com ele. Tu repreende-o e dize-lhe: Por que suscitaste contra nós o ódio do povo? E agora devemos suportar a exasperação do povo? E aproximando-se dele, sua mãe, Maria, rogava-lhe dizendo: Qual foi o crime dele para que morresse? E Jesus respondeu: -‘Merecia a morte, já que destruiu aquilo que eu tinha feito’.

Sua mãe, então, lhe pediu: -‘Não faças isso, meu Senhor, pois todos se revoltam contra nós’. Não querendo contristar a sua mãe, com o pé direito, Jesus tocou as nádegas do morto e lhe disse: - ‘Levanta-te, filho iníquo. Não és digno de entrar na paz de meu pai, porque destruíste a obra que eu tinha feito’. Então o que tinha sido morto se levantou e foi-se embora. Jesus, entretanto, voltou ao seu jogo, levando água pelo canalzinho até as lagoinhas.

“Quando Jesus tinha seis anos, a sua mãe o mandou, com um cântaro, buscar água na fonte, junto com outros meninos. Aconteceu que, depois de ter enchido o cântaro, um dos meninos lhe deu um empurrão. Com isso, o cântaro caiu e se quebrou. Jesus estendeu o manto que usava, recolheu nele a quantidade de água que o cântaro continha e a levou para sua mãe. Vendo isso, ela se maravilhou, meditava consigo mesma e guardava tudo em seu coração” [2].

Em outra ocasião, depois de outros feitos assustadores de Jesus, “ele voltou para a casa de sua mãe. José ficou com medo. Chamou Maria perto de si e disse: -‘Em verdade, sabe que a minha alma está triste até à morte por causa deste menino. Pois pode acontecer que qualquer pessoa bata nesse menino e morra’. Maria respondeu: -‘Homem de Deus, não penses que isso possa acontecer. Crê que aquele que o enviou no meio dos homens, o guardará de qualquer malignidade e, em seu nome o preservará do mal?” (Pseudo Evangelho de Mateus 38,2).

Estas histórias e tantas outras sobre a relação maternal de Maria com Jesus, você, caro leitor, encontrará no nosso livro citado acima. São histórias de fé belíssimas que, infelizmente, os Evangelhos canônicos não conservaram.

[1] Cf. Evangelho secreto da Virgem, página 103.
[2] Cf. Pseudo Evangelho de Mateus 33,1.


Esse texto é tirado do livro de Fr. Jacir História de Maria, mãe e apóstola de seu filho nos Evangelhos Apócrifos, publicado pelas Vozes de Petrópolis em 2006.

Você encontra outros artigos do autor no seu site www.bibliaeapocrifos.com.br

5371 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook